Xeque-mate no padrão FIFA

Já pensou na sensação de acordar para uma realidade depois de acreditar em algo totalmente diferente por toda a sua vida? Já pensou em descobrir que sua paixão foi (e talvez ainda seja) refém de uma verdadeira quadrilha? Estas são questões que vêm facilmente à nossa mente após conferir a obra “Política, Propina e Futebol – Como o padrão FIFA ameaça o esporte mais popular do planeta” do correspondente internacional do jornal O Estado de São Paulo, Jamil Chade.

No último dia 17, Jamil esteve no auditório do prédio Reverendo Wilson, aqui no Mackenzie, para divulgação de seu livro e discutir os assuntos nele presentes, como os casos de corrupção da FIFA e da CBF e as eleições que ocorreram no dia 26 de fevereiro e que acabaram por estabelecer o suíço Gianni Infantino como novo mandatário do órgão máximo do futebol. “Informar ao torcedor: porque aquela partida está sendo realizada? Quem é que está pagando por aquela partida? Quem é que está pagando por aquele estádio? Quem é que está lucrando com aquele time? É a nossa obrigação. Não só explicar, mas sim informar tudo isso”, assim o autor resume a necessidade de esclarecer as questões até então tão obscuras que são abordadas em sua produção.

Um dos pontos mais interessantes da obra e de sua palestra na universidade, se deu ao abordar um contrato entre FIFA e CBF que regulamentaria o esquema de convocações da seleção brasileira, com isso, a lista de jogadores “escolhidos” pelo técnico da equipe já seria predefinida pela instituição internacional que regulamenta absurdamente casos como aquele que convenciona que em caso de lesão, a troca deve ser feita por um jogador de mesmo valor de marketing. Tais informações colocam em cheque toda a história do futebol mundial e levanta outra questão: qual seria o tamanho da quadrilha que domina o futebol?

Jamil disse não temer processos porque tudo aquilo que ele já publicou tem suas devidas provas e ainda brincou dizendo saber muito mais do que aquilo que já tornou público, mas tem ciência de que sem provas concretas a informação perde a credibilidade. Além de um bate papo franco e descontraído, os alunos puderam ter uma verdadeira aula de bom jornalismo com esse profissional mundialmente reconhecido e, mais que isso,  uma nova obra foi apresentada a muitos, obra esta que certamente entrará para o hall dos livros mais importantes não só do jornalismo esportivo, como também da área investigativa.