voluntáriado

Voluntáriado nas férias, que tal?

Que tal usar o tempo nessas férias para ajudar alguém, com voluntariado? Com as férias chegando, nós sempre ficamos procurando algo diferente para fazer. Conhecer lugares novos, sair com amigos, ou simplesmente ficar em casa maratonando sua série favorita são algumas das coisas que costumamos realizar em nosso tempo livre.

O aluno do Mackenzie Douglas Porto,19, que cursa jornalismo, diz que gostaria muito de fazer algum tipo de voluntariado.

“Acho que o tempo que passamos em vida é muito curto e devemos utilizá-lo ajudando nossos semelhantes. Acho que isso agrega tanto no meu ser social e me traz experiência para lidar com pessoas que vivem em uma condição diferenciada da minha.”

Em São Paulo há vários projetos de voluntariado. Você pode dedicar um pouco do seu tempo para auxiliar aqueles que precisam. E tem projetos para todos os gostos.

Projeto Padrinho nota 10

Nesse projeto você pode apadrinhar uma criança que vive em um orfanato. Esse apadrinhamento pode ser de forma afetiva, em que a criança pode passar um tempo com você. Pode-se ajudar nas tarefas de casa, levar para passear ou até mesmo ficar um fim de semana juntos. Nesse tipo de apadrinhamento há alguns critérios. A idade do padrinho, não pode ser inferior a 21 anos, e também é preciso que se tenha disponibilidade de tempo.

Para quem não tem muito tempo também existe o apadrinhamento financeiro. O padrinho se compromete a dar uma quantia mensal para ajudar nas despesas da criança e do orfanato.

Ajuda em abrigos de animais

Para quem ama os bichinhos é possível ajudar em abrigos. Pode ser financeiramente, com ajuda em dinheiro, ou com alimentos e remédios. Também pode ser com voluntariado presencial, ajudando a passear e cuidar dos animais.

Há muitos abrigos em São Paulo, você pode saber mais como ajudar e se inscrever no site Ampara animal.

Dar alimento as pessoas de rua

Esse tipo de voluntariado pode ser feito tanto sozinho como em grupo, você pode levar alimento, roupas ou cobertores para os moradores de rua. Há organizações em SP que vão periodicamente aos locais com maior incidência de pessoas em situação de rua, uma delas é a Entrega por SP.

Marina Sayuri,18, estudante de jornalismo na Universidade Mackenzie, já fez trabalho voluntário e alega que ajudar os outros agregou muito em sua vida.

“Ajudou-me bastante! Fiz arrecadação de roupas, brinquedos, fraldas para crianças de 0-5 anos. Tinha uma menina que tinha chego no dia anterior e me fez repensar muito sobre a vida.Na irresponsabilidade dos casais que acabam deixando as crianças viverem sem pais.”

Leia mais sobre empatia aqui

 

 

Beatriz Martins

Paulistana de nascimento e de coração. Nunca dispenso um cafézinho e uma conversa boa. Amante de livros, séries e música. Enfim, só mais uma pessoa tentando se encontrar nesse mundão.