Você teria essa coragem?

O termo foi criado pela estilista britânica Susie Faux nos anos 70, mas quem propagou a ideia e trouxe para a internet em 2014 foi a blogueira americana Caroline do blog Unfancy.

Ao longo do Processo Seletivo para entrar na Redação Virtual, uma das coisas que mais me chamou a atenção foi a primeira pergunta do questionário para a Editoria de Moda, a qual hoje felizmente faço parte: “Se você tivesse que escolher 10 peças (incluindo acessórios) para formar um armário cápsula, quais escolheria?”.

Desde que conheci esse conceito, achei muito interessante e desafiador (para quem nunca ouviu falar, consiste basicamente em reunir uma quantidade reduzida de peças para montar o seu guarda-roupa da estação). Interessante porque, mais do que determinar a quantidade e escolher determinadas peças para compor um guarda-roupa o mais reduzido possível, o conceito me fez pensar além. A questão do consumo consciente, da otimização do tempo e do espaço e da economia de dinheiro são ideias reflexivas. Com certeza nos faz repensar bastante as nossas atitudes.

E também achei desafiador porque deve ser muito difícil iniciar o processo (porque sim, isso é um processo e não acontece do dia pra noite). Deve-se ter muita coragem, e como disse anteriormente, é muito além da escolha. Os nossos pensamentos em relação ao consumo também precisam se transformar.

Como disse, o assunto me chamou bastante atenção por ser retomado no questionário do Processo Seletivo e, por mais, que já tivesse ouvido falar sobre ele em um outro momento, somente agora pesquisei sobre o conceito e tudo o que o envolve.

Se você também se interessou, abaixo eu vou listar as minhas observações diante de tudo o que li. Dicas e características do armário-cápsula, pra quem sabe, você tomar coragem e aderir!

  • Economia de dinheiro: com o armário-cápsula não existe aquela história de comprar por impulso. O conceito resulta na redução de roupas no armário, e, consequentemente, de gastos na fatura do cartão. As compras precisam ser conscientes e de peças estritamente necessárias.  
  • Quantidade limitada de peças: não existe uma regra da quantidade certa de peças para compor o guarda-roupa. Tem pessoas que montam o armário com 10, outras com 30. O que não podemos deixar de lembrar é que o conceito tem como base a quantidade limitada de roupas. Portanto, quanto menos, melhor.  
  • Otimização de tempo e espaço: o tempo na hora de se arrumar será bem menor, já que não existirão muitas dúvidas no que vestir ou como combinar. E o tempo também será bem mais aproveitado: pra ler, ouvir uma música, tomar um chá… e não para ficar aflita tirando todas as roupas do armário para decidir o que vestir!
  • Estilo definido e destacado: quando decidir aderir ao armário-cápsula, é essencial que você saiba qual estilo de roupa se identifica mais e do que realmente fica bem no seu corpo. Quando o estilo é definido, com certeza ele se destacará muito mais!
  • Acessórios são aliados: já que as roupas são limitadas e as combinações reduzidas, os acessórios são ótimos aliados para compor novos looks.
  • Opção por materiais de boa qualidade: para conseguir utilizar e aproveitar cada peça, é importante que elas não sejam de má qualidade. Não adianta nada comprar por algo que dure poucos meses. Afinal, a principal ideia do armário-cápsula é que as roupas sejam aproveitadas ao máximo, dando até para utilizar em mais de uma estação.

 

Texto por Lívia Rosa.