Uma pedra no caminho

Uma pedra no caminho

É engraçado como, quando somos crianças, só queremos crescer. Queria que o tempo passasse logo para eu ter minha própria vida. Me lembro da minha mãe dizendo que eu deveria parar de pensar no futuro e aproveitar a melhor fase da vida. Mas como aquela poderia ser a melhor fase se eu ainda não podia fazer nada?

Diversas vezes me pegava imaginando que a vida seria como nos livros e nos filmes. Pensava que meus dias seriam cheios de diversão e não via a hora de não ter que dar satisfação para mais ninguém e fazer o que eu quisesse. Ah, quanta inocência.

Talvez, a pior parte de crescer seja mesmo deixar de sonhar pelo choque brusco que se tem com a realidade.

É duro quando você começa a ver que a vida não é tudo aquilo que imaginava. É duro quando você percebe que a vida não vai sorrir para você assim tão fácil. Quando você começa a ver que, na verdade, crescer machuca e dói. Dói ter que ir embora, dói ter que deixar o aconchego de casa, a segurança do abraço do seu pai, a comida gostosa da sua mãe, o conforto da presença dos seus irmãos. Dói quando você se vê sem ninguém.

É angustiante chegar em casa e não ter ninguém para contar sobre seu dia, chorar e não ter um ombro amigo. Conviver com um silêncio ensurdecedor. Ter que fazer escolhas sozinha. Você descobre que a liberdade tem um preço alto e que ela não é tão boa quanto parecia.

Minha avó vivia dizendo que quebrar a cara era bom para aprender. Ela tinha razão, crescer é essencialmente errar. É queimar o feijão, misturar roupa branca com colorida na hora de lavar, passar aperto com o dinheiro no fim do mês por não saber controlar os gastos, pegar o ônibus errado e descer em um lugar que você nunca viu na vida…, mas sabe, é aí que a gente começa a dar valor nas coisas. Eu passei a valorizar mais as pessoas, os momentos, o dinheiro.

Apesar de ser doloroso, crescer é essencial e, no fim, tudo acaba sendo um grande aprendizado. É só mais um obstáculo no ciclo da vida. Como já dizia Fernando Pessoa: “Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…”.