Super Humanos: Albert Liu

Albert Liu, 22 anos
O estudante de economia da FEA- USP faz parte do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), e embora atue na área das Modalidades Paralímpicas de Neve e sua prioridade seja pensar nos Jogos de Inverno de Pyongchang (Coreia do Sul),: “Torço para que a tendência siga e possamos fazer um bonito papel em casa”.
Essa tendência que Albert se refere é das conquistas brasileiras. Com cerca de 300 integrantes na delegação, o Brasil foi aos Jogos ParaPan 2015, em Toronto, e sobrou no quadro de medalhas: ficou na primeira posição, com 109 medalhas de ouro, mais do que o dobro do segundo colocado, os anfitriões do evento.
Para continuar com esse excelente retrospecto, é preciso, segundo ele, olhar as gerações futuras de um jeito especial, incentivando a competição e o espírito de equipe: “As Paralimpíadas Escolares são um excelente aprendizado, pois reúnem competidores de todos os cantos do país e já estabelecem contatos para o futuro. Muito provavelmente seu adversário de hoje será seu companheiro de seleção amanhã”.
E apesar de não ser um atleta paralímpico, o futuro economista orgulha-se em dizer que se inspira na história e na alma dos competidores, que vencem todas as dificuldades e conseguem, de um jeito ou de outro, sair como verdadeiros vitoriosos. Ele encerra esse pensamento citando a frase de um dos jogadores que conheceu em um projeto: “o esporte traz superação para uma pessoa. E para aquela com deficiência, a superação é diária e constante”.Infográfico
Texto por: Amanda Rinaldi, Gabriel Tampelini, Jullia Guedes e Thiago Dalle
Confira a primeira parte da matéria sobre as Paralimpíadas aqui