A sensação do vazio

O dia amanheceu triste para mim hoje. Desde o momento em que abri os olhos fui tomada por aquela sensação de algo me faltava, de algo não estava no lugar. Levantei, tomei banho, me troquei, mas isso não ajudou, a sensação permanecia em mim.

Saí de casa após o café da manhã segui indo em direção a grande cidade onde passo a maior parte dos meus dias. Incrível como mesmo no fim de semana não consigo escapar de você São Paulo. O ônibus não demora a chegar, entro e me sento sozinha em um banco ao lado da janela. Sigo a viagem até o centro olhando fixamente por ela, com pensamentos indo e vindo na mente.

Não conseguia entender. Como tendo tudo ainda me sentia não tendo nada? Como expulsar de mim a sensação de viver um ciclo vicioso? Como não sentir que a vida passava pelos meus olhos sem que eu a percebesse ou aproveita-se? Como ignorar o jeito triste e sem rumo que me sinto agora? Essas são as perguntas que atormentam minha mente dia e noite. Passo do ônibus para o trem e dele para o metrô. Corro o dia inteiro e a sensação de vazio nunca vai embora. Nunca cessam as perguntas na mente.

Costumo dizer que o que sinto é a dor da vida e que os outros não sentem porque já estão anistiados pela rotina. Não sei se essa é a verdade ou a mentira que inventei para mim mesma. Só sei que essa é a dor de ser quem sou, de trazer dentro de mim todos os sentimentos do mundo. No fim acho que sinto saudades de uma época em que a vida era mais fácil, saudades de quando ainda não havia virado adulta. Acho que a razão de todo esse vazio que sinto é a saudade que tenho de mim mesma, da minha versão menos complicada e calejada pela vida.

Já sabe como escolher a mochila certa  pro mochilão?

Foto por: Lily P