Rússia 2018: Dia 9

A segunda rodada da fase de grupos do mundial acabou para mais dois grupos. Pelo grupo D, a Nigéria venceu a Islândia por 2 a 0, e se manteve viva na briga pela classificação para a próxima fase. Já pelo grupo E, o Brasil venceu a Costa Rica por 2 a 0 em um jogo emocionante, e a Suíça bateu a Sérvia de virada, por 2 a 1.

 

Grupo D – Islândia x Nigéria

Islândia e Nigéria se enfrentaram em busca da classificação para as oitavas de final. O jogo começou morno, com as equipes estudando umas às outras, mas logo o time europeu começou a pressionar os nigerianos, dando trabalho ao goleiro Uzoho. A Islândia dominou a primeira etapa e teve boas chances, como uma falta batida por Gylfi Sigurdsson, que o goleiro espalmou. Os “vikings” ainda tiveram boas chances com Finnbogason. A Nigéria pouco produziu nessa etapa.

Musa comemora gol nigeriano

Porém, logo no começo do segundo tempo os nigerianos abriram o placar. O time africano apostou em jogadas rápidas de contra-ataque, e assim saíram os dois gols. No primeiro, o atacante Ahmed Musa recebeu na grande área um passe açucarado de Victor Moses, e chutou forte para o gol, estufando as redes do goleiro islandês Halldórsson. O gol nigeriano acendeu a partida para os africanos, que dominaram a segunda etapa e passaram a assustar mais os islandeses. Quase aos 30 minutos, os nigerianos marcaram de novo. Musa recebeu um lançamento, ganhou do zagueiro Árnason na corrida, driblou o goleiro e balançou as redes em mais um lindo gol.

A Islândia ainda teve a chance de diminuir a vantagem nigeriana no placar no final da partida, com um pênalti a seu favor. Porém, o camisa 10 Gylfi Sigurdsson desperdiçou a cobrança. O resultado desse confronto interessava muito aos argentinos, para que ainda pudessem sonhar com as oitavas de final. Com a vitória da Nigéria, todos os times do grupo D tem chance de garantir a vaga para a próxima fase, o que garante que a terceira rodada será bem disputada.

 

Grupo E – Brasil x Costa Rica

A seleção brasileira fez o seu segundo jogo no mundial contra a Costa Rica, buscando a vitória após o empate com a Suiça na primeira rodada. O primeiro tempo do jogo foi morno. O Brasil possuía maior posse de bola e estatísticas melhores do que a Costa Rica, mas o futebol não convencia. Foram pouquíssimas chances de gol, faltou agressividade, criatividade e qualidade nas finalizações para a equipe de Tite. A Costa Rica pouco produziu também, fazendo Alisson quase não trabalhar.

Coutinho comemora o gol.

Na segunda etapa, Tite substituiu Willian, que não vinha muito bem na partida, por Douglas Costa, e a seleção ganhou outra cara. O time brasileiro tornou-se mais ofensivo e passou a atacar e a assustar mais a seleção costarriquenha. Aos 20 da segunda etapa, O Brasil dominava o jogo quando Tite sacou Paulinho e colocou Firmino, apostando no tudo ou nada. Gabriel Jesus cabeceou uma bola no travessão após um cruzamento de Fagner, Neymar perdeu um gol inacreditável e sofreu um pênalti anulado pelo VAR, Keylor Navas fez grandes defesas, e parecia que o drama brasileiro não teria fim. Porém, no comecinho dos acréscimos, Philippe Coutinho abriu o placar para o Brasil em um lindo chute de bico que explodiu as redes do gol de Navas. A seleção ainda ampliou o placar, com um gol de Neymar no último minuto do jogo. O craque chorou muito após o apito final, devido ao enorme peso em seus ombros.

A Costa Rica está eliminada do mundial com duas derrotas, e o Brasil decide a classificação contra a Sérvia na próxima rodada. O empate classifica a seleção de Tite.

 

Grupo E – Sérvia x Suíça

O confronto fechou a segunda rodada do Grupo E. A Sérvia buscava a liderança do grupo e a Suíça a sua primeira vitória, após o empate com o Brasil. A Sérvia começou melhor e abriu o placar logo no início, com um gol de cabeça do camisa 9 Mitrovic através de um cruzamento de Tadic. Após o gol porém, a seleção da Sérvia não conseguiu dominar a partida, e os suíços partiram para o ataque. A primeira etapa teve chances para os dois lados, mas acabou em 1 a 0.

Suíços comemoram a virada.

Os suíços reagiram logo no começo da segunda etapa. Um contra-ataque rápido possibilitou uma grande jogada de Shaqiri, que chutou forte mas a bola parou na zaga. Xhaka pegou o rebote e bateu forte no canto, estufando a rede. Com o empate, a Suíça ditou o ritmo do segundo tempo e criou as melhores chances de gol. A virada porém, só veio no finalzinho do jogo. Xhaka lançou para Shaqiri, que tocou para o gol na saída do goleiro da Sérvia. Os suíços foram os primeiros a virar um jogo nesse mundial. Com o resultado, atingiram 4 pontos, assim como o Brasil, que é líder do grupo pelo saldo de gols.

Na comemoração dos dois gols da Suíça, Xhaka e Shaqiri fizeram o símbolo da bandeira da Albânia, já que a maioria do povo de Kosovo é de origem albanesa. O jogo entre Sérvia e Suíça já era tenso, pois Kosovo fica dentro da Sérvia e se declarou independente do país em 2008. Os sérvios porém, não reconhecem a independência e consideram Kosovo parte do seu território.

 

Gabriel Pellegrine, estudante da Universidade Presbiteriana Mackenzie, disse que o nono dia do mundial já começou emocionante “O Brasil teve um desempenho ruim no primeiro tempo contra a Costa Rica, faltava criatividade e velocidade para furar as linhas dos costarriquenhos. No segundo tempo, com a entrada de Douglas Costa, e Jesus jogando ao lado de Firmino o Brasil furou o bloqueio e achou o gol”. Para o estudante, Coutinho  vai se mostrando tão craque quanto Neymar. Quanto ao jogo da Islândia, Gabriel disse que os islandeses sabiam que não poderiam ficar apenas esperando o time da Nigéria para garantir a classificação, mas os ataques rápidos dos nigerianos surpreenderam os Vikings e Ahmed Musa foi o melhor em campo, marcando dois golaços. Pellegrine ainda comentou sobre Sérvia x Suíça “foi o grande jogo do dia por tudo que a partida representava, principalmente para os suíços que poderiam ser eliminados. Além disso, o jogo tinha um peso político pois alguns jogadores suíços nasceram no Kosovo, que não tem a independência reconhecida pela Sérvia.” Gabriel relatou que os dois destaques da partida, Shaqiri e Xhaka, nasceram em Kosovo. Para o mackenzista, a suíça confirmou ser a segunda potência do grupo e deve se classificar, assim como Brasil e Nigéria.

Paulistana apaixonada por esportes, principalmente futebol. Ama ler,escrever e conversar. Fã de Maroon 5, Game of Thrones e chocolate.