Rússia 2018: Dia 3

O terceiro dia do mundial da Rússia contou com uma estatística curiosa: todos os jogos tiveram pelo menos um pênalti marcado, sendo que um deles propiciou a primeira intervenção do VAR na história do campeonato mundial. A frança bateu a Austrália por 2 a 1, a Argentina empatou com a Islândia em 1 a 1, o Peru perdeu da Dinamarca por 1 a 0, e a Croácia venceu a Nigéria por 2 a 0. O destaque do dia vai para Halldórsson, goleiro da Islândia que defendeu um pênalti batido por Lionel Messi.

 

Grupo C – França x Austrália:

França e Austrália se enfrentaram em Kazan. O favoritismo prevaleceu e a seleção francesa venceu a seleção australiana por 2 a 1, com gols de Griezmann e Pogba. Porém, o placar apertado é capaz de demonstrar como a França sofreu e teve dificuldade de ultrapassar o bloqueio defensivo da Austrália. A partida foi marcada pela utilização do árbitro de vídeo pela primeira vez na história dos mundiais.

Havia uma grande expectativa em cima da França, já que o time possui um dos melhores ataques da competição, com Mbappé, Griezmann e Dembélé. Contudo, o jogo não teve grandes emoções, além dos lances analisados pelo VAR. No começo do primeiro tempo a seleção francesa tentou apertar a Austrália de todas as maneiras. Porém a arrancada da França durou pouco. O time possuía uma grande dificuldade na finalização das jogadas e não criou grandes chances de abrir o placar. A Austrália impôs um ritmo de jogo e se defendeu bem das poucas investidas francesas. Levou perigo ao gol de Lloris uma vez, não mais do que isso.

Árbitro examina lance polêmico.

No começo do segundo tempo, o VAR foi utilizado pela primeira vez em um mundial. Pogba fez um lançamento para Griezmann, que se infiltrou na área da Austrália. O jogador foi parado por um carrinho  do defensor australiano Joshua Risdon. A princípio, o juiz entendeu o lance apenas como um desarme, mas o VAR foi acionado para análise. Após a revisão, o árbitro uruguaio Andres Cunha assinalou o pênalti para a seleção francesa, que foi convertido após a cobrança de Griezmann. Tudo durou cerca de 3 minutos apenas.

Cinco minutos depois, Umtiti pulou na área francesa para impedir um ataque australiano e acabou batendo a mão na bola. O árbitro decretou a penalidade máxima sem a ajuda do árbitro de vídeo e Jedinak converteu, 1 a 1 no placar. O empate já parecia certo, até que Pogba e o árbitro de vídeo foram essenciais novamente. Tabelando com Giroud e Mbappé, o volante deu um chute de cobertura que bateu na trave e entrou. O lance foi duvidoso, já que a bola passou muito perto da linha. O VAR foi acionado e confirmou o gol francês. A partida abriu a primeira rodada do grupo C, que também conta com Peru e Dinamarca.

 

Grupo C – Peru x Dinamarca:

Peru x Dinamarca fecharam a primeira rodada do grupo C. O jogo ficou marcado pelo retorno do Peru a um mundial após 36 anos. O jogo teve chances para os dois lados, porém com maior domínio e mais chances claras peruanas. O VAR foi utilizado novamente e o destaque da partidas ficou com Christian Cueva, que perdeu um pênalti, batendo muito mal na bola.

O jogo começou sem um grande favorito, já que as duas seleções se classificaram na repescagem em suas determinadas eliminatórias. A Dinamarca contava com o craque Christian Eriksen e o Peru tinha em Cueva sua maior esperança, já que Guerrero começou no banco de reservas. Empurrado pela torcida que lotou o estádio, o Peru começou pressionando a Dinamarca, que em seguida também impôs o seu ritmo e levou perigo principalmente nos lances de bola parada, já que a média de altura dos seus jogadores é de 1,85m. Aos 43 minutos porém, a seleção peruana teve a chance sair na frente do placar. Cueva foi derrubado na área e pediu pênalti, que o árbitro não queria marcar, até acionar o VAR e revisar o lance. A penalidade foi concedida mas o peruano bateu muito mal, isolando a bola.

Poulsen comemora o gol dinamarquês.

No segundo tempo, a seleção peruana continuou pressionando a Dinamarca, mas aos 13 minutos, Poulsen abriu o placar para os dinamarqueses.  Guerrero entrou logo em seguida e deixou o time mais ofensivo ainda. Quase fez um golaço de calcanhar, e obrigou a defesa dinamarquesa a trabalhar mais duro ainda. Mesmo assim, o Peru não foi capaz de empatar o jogo. A partida foi o maior exemplo de que domínio do jogo não significa vitória. Apesar da vitória dinamarquesa, a liderança do grupo ficou com a França, pelo saldo de gols maior. Os resultados colocaram Peru e Austrália em uma situação delicada. Os times precisam vencer seus dois jogos e contar com a combinação de resultados para poderem se classificar.

Grupo D – Argentina x Islândia:

Argentina x Islândia se enfrentaram em Moscou . O confronto era um dos mais aguardados da primeira rodada da fase de grupos, por ser a estreia da seleção islandesa em um mundial. O favoritismo era completamente argentino mas a Islândia surpreendeu e soube segurar a pressão da equipe latina. O destaque da partida vai para o goleiro islandês Halldórsson, que defendeu um pênalti batido por Lionel Messi.

Logo no primeiro tempo o time de Messi impôs o ritmo do jogo. Dominou a posse de bola, teve mais escanteios e mais  chances e chutes a gol do que Islândia. Porém, mostrou uma grande dificuldade em converter essas estatísticas em um resultado palpável. A seleção islandesa entrou em campo muito compacta e soube se defender muito bem, com uma marcação cerrada. Em uma atuação apagada, Messi nunca tinha menos do que 3 islandeses ao seu redor. Faltou criatividade para os argentinos.

Halldórsson defende pênalti de Messi.

A primeira etapa acabou no empate de 1 a 1. O gol argentino foi marcado por Aguero, aos 19 minutos. O atacante desviou da marcação, aproveitou um chute errado de Di Maria e bateu para o gol, estufando as redes. A alegria dos latinos durou pouco, e mostrou a fragilidade defensiva da Argentina. Os islandeses cruzaram a bola de um lado para o outro e Finnbogason aproveitou o rebote do goleiro Cabellero, entrando para a história ao marcar o primeiro gol da Islândia em um Mundial.

A segunda etapa foi muito disputada e ficou marcada pela sua intensidade. A seleção Argentina continuou a atacar firmemente, mas os islandeses suportaram a pressão e se defenderam bem. A Islândia levava perigo à meta do goleiro argentino por meio de contra-ataques rápidos. Meza sofreu pênalti após lindo passe de Messi, e o mesmo se prontificou a bater. O camisa 10 bateu mal e parou em Halldórsson, que se transformou em uma muralha de gelo e fez uma grande defesa. A Argentina continuou apertando a Islândia até o final, mas o placar não saiu do empate. As duas equipes abriram a primeira rodada do grupo D, que também possui Croácia e Nigéria.

Grupo D – Croácia e Nigéria:

O confronto fechou a primeira rodada do grupo D. O favoritismo imperou e a Croácia venceu a Nigéria por 2 a 0 em um jogo tranquilo, sem maiores dificuldades. O árbitro da partida foi o brasileiro Sandro Meira Ricci e o destaque ficou com Modric, que marcou um dos gols (de pênalti) e teve uma boa atuação. O resultado colocou os croatas na liderança do grupo.

A seleção croata dominou a maior parte do primeiro tempo, com chutes de dentro e de fora da área. Porém o nervosismo não deixava os croatas abrirem o placar. Quase no final da primeira etapa, a Croácia abriu o placar através da bola parada, após uma cobrança de escanteio. Mandzukic raspou na bola de peixinho e ela parecia ir para fora, quando desviou no nigeriano Etebo e entrou no gol, aniquilando qualquer defesa do goleiro Uzoho. Os nigerianos até tiveram algumas chances de empatar o jogo, mas nada aconteceu.

Modric comemora o gol após cobrança de pênalti.

No segundo tempo, o objetivo principal da seleção croata era segurar o placar e se defender. Os nigerianos arriscaram e atacaram mais, criando chances com Moses, um dos jogadores mais perigosos da seleção. A Croácia não conseguia criar mais tantas chances e converter sua ofensividade em gols. Aos 25 minutos, Mandzukic sofreu um pênalti claro e Modric (eleito o melhor da partida) converteu, batendo no canto direito de Uzoho. O 2 a 0 garantiu a liderança do grupo para os croatas, e complicou a situação da Nigéria, última colocada do grupo.

 

 

 

 

 

Para Douglas Porto, estudante da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o jogo entre França x Austrália foi disputado e sem muito brilhantismo por parte dos favoritos franceses, que fizeram o básico e saíram com a vitória por 2 a 1. Diferentemente da Argentina, segundo Douglas “esperava-se um triunfo convincente, mas a dificuldade apresentada por sua defesa e o pênalti não convertido por Messi acabaram decretando o empate contra a Islândia, que tem um time forte e consistente”. O estudante ainda disse que o Peru pode ser considerado como a dúvida da tarde “Lutaram tanto pela volta do Guerrero e o deixaram no banco. Cueva fez corpo mole durante o ano todo no São Paulo, para jogar pifiamente e ainda errar a cobrança de pênalti.” Para Douglas, a Dinamarca jogou muito melhor e mereceu a vitória, e Croácia x Nigéria foi o jogo que mostrou maior diferença técnica entre as duas equipes, onde a boa seleção liderada por Modric ganhou por um convincente placar de 2 a 0, mostrando que possuem plenas condições em se classificarem em primeiro do grupo.

Confira o primeiro e o segundo dia do torneio na Rússia.

 

 

 

Paulistana apaixonada por esportes, principalmente futebol. Ama ler,escrever e conversar. Fã de Maroon 5, Game of Thrones e chocolate.