Rotina Lírica

Rotina Lírica

Notei ultimamente voltando para casa que o trânsito, sempre interminável e apático, fica mais ameno em dias chuvosos. As pessoas que passam pela janela do ônibus se tornam mais interessantes com um Jazz nos fones de ouvido. O cobrador do ônibus se sorri de canto a canto quando lhe desejam boa tarde. E quando se quer, a rotina consegue ficar bonita.

São tantos detalhes que se esvaem depois de 24hrs. Tantas histórias que não se repara. O velhinho sentado no banco da praça pode ter, nesse simples fazer nada, seu ponto de paz. A garota olhando pela janela da padaria pode ver nos pingos da chuva um cenário de seu próximo desenho. O cara tocando piano invisível no corrimão do metro pode estar compondo uma obra de arte.

Tudo vira história, se tiver o anseio de observar bem. E entre histórias, as coincidências sempre criam as melhores. O encontrar de alguém lendo seu livro favorito e rendendo horas de conversa. O trombar do amigo de 5 anos atrás na praça de alimentação. O acidental de pegar um livro às cegas e ele te mudar por completo. O atrasar para pegar o ônibus que rendeu conhecer o menino das manias parecidas, do bom gosto musical, da mais nova companhia.

Os detalhes também são essenciais para uma boa história das nossas praxes. Afinal, se não se notar o sorriso do cobrador ele se mescla com os bancos azuis e canos amarelos e se esvai. O andar pela avenida são só minutos vazios se você não tira um dos fones de ouvido para notar o musico de rua, tocando sua música favorita em acústico. E não se nota a timidez de alguém ao seu lado ansiando por uma conversa que te renderá sorrisos consecutivos.

Depois de notar tudo isso, e devanear tudo que se tem direito, concluí que as vezes, o trânsito não andar não é o fim do mundo se escolher a trilha sonora certa. Arranjar uma boa nova companhia. E ter curiosidade suficiente para tornar o despercebido no novo, e a rotina em crônica.

A beleza da música, vem dar uma olhada nesse texto sobre o dia do músico.

Larissa Iole de Freitas

Paulistana propensa a sonhar demais em meio a realidade. Apaixonada por histórias novas, café(s), bons livros e uma boa playlist que acompanhe isso tudo.