Resenha: A cidade do sol

Escrito por Khaled Hosseini, em 2007, “A cidade do sol” é o segundo livro de sucesso do autor, atingindo o 2° lugar na lista dos mais vendidos do site Amazon.

O livro ganhou o prêmio americano Indies Choice Book Award for Adult Fiction. Posterior à “o Caçador de pipas”, a história  também se passa no Afeganistão, na época do domínio Talibã.

A cidade do sol conta a história de Mariam, uma jovem Harami (Bastarda) de origem muito humilde que mora com sua mãe em uma pequena cabana. Por conta de acontecimentos drásticos , a menina se vê forçada a se casar com um homem muito mais velho.

E essa é a primeira parte do livro.

Na segunda parte somos apresentados a Laila, uma garota inteligente, filha de um professor, que é ensinada desde pequena que a vida é muito maior do que se casar e ter filhos, mesmo que a sua cultura dissesse o contrário.

De uma forma bastante crível, o destino acaba unindo a vida das personagens. Aliás, todo o enredo do livro é muito realista. Esse é um dos motivos que me faz considera-lo um dos melhores livros que já li.

Não espere que seja fácil ler esse livro. A cada capítulo uma explosão de sentimentos conflitantes vão te atingir em cheio.

Junto com Mariam e Laila, senti medo, angustia e o desespero de não saber o que mais poderia estar por vir de ruim, em meio aquele contexto já tão cruel.

Mas o sentimento que se sobressaiu enquanto acompanhava a vida delas foi o de revolta.

A obra nos mostra a realidade das mulheres  em um Afeganistão controlado pelo grupo extremista Talibã. Sem nos poupar de toda a indiferença que aquela sociedade tem para com elas, as tratando de maneira desumana.

Não pude conter a vontade de ajuda-las, mesmo sabendo que são personagens de uma obra de ficção. A todo momento tentei encontrar uma saída daquela situação , e me coloquei no lugar das mulheres fortes que protagonizam a história.

No fim do livro, fiquei muito triste. Continuei pensando sobre tudo aquilo por dias a fio. Uma grande sede de justiça tomou conta de mim, e sempre que releio ela volta. O desfecho da obra é muito realista, assim como todo o seu desenvolvimento. Portanto, se você gosta de finais inteiramente felizes esse livro pode não te agradar.

Enfim, recomendo “A cidade do sol” para quem quer ler algo que o faça refletir. O livro nos faz pensar, de forma muito pertinente, sobre a injustiça e sofrimento que as mulheres passam ao redor do mundo, a importância da cultura, e o que a guerra realmente traz para um povo.

Você gosta de ler ? Dá uma olhada nessa resenha do livro “A PRINCESA SALVA A SI MESMA NESSE LIVRO”

Beatriz Martins

Paulistana de nascimento e de coração. Nunca dispenso um cafézinho e uma conversa boa. Amante de livros, séries e música. Enfim, só mais uma pessoa tentando se encontrar nesse mundão.