Projeto Reviravolta: A sustentabilidade do bem

Raphaela Bellinati

O projeto Reviravolta é uma iniciativa do Centro Gaspar Garcia, que surgiu em 1988, graças a união de agentes das pastorais da Sé e militantes populares que atuavam com moradores de rua e cortiços e catadores de materiais recicláveis de São Paulo. Em 1984, esses segmentos se juntaram para articular uma organização em prol dos diretos humanos, já que a pobreza não era reconhecida em sua dimensão sócio-política pelos órgãos públicos.

Já os problemas sociais que se destacavam na área central de São Paulo, oriundos da estagnação econômica do país e dos altos índices de desemprego, consistiam em milhares de pessoas vivendo nas ruas, em catadores explorados pelos donos de depósitos, em péssimas condições de moradia e em práticas de exploração realizadas por intermediários em cortiços.

Graças a baixa integração de políticas públicas que envolvessem essa população em situação de rua, foi criado o projeto Reviravolta, que visa a reinserção desses indivíduos no mercado de trabalho. Em meados dos anos 90, o governo se deu conta de que os catadores poderiam contribuir para com o meio ambiente, por isso a iniciativa de uni-los em um só coletivo. O objetivo do programa é contribuir para que essa parcela da população possa organizar a vida pessoal e ter acesso a políticas públicas de inclusão social.

Há quase dez anos de parceria com o projeto, o Mackenzie sustentável cede mais de 90% do papel branco, que, juntamente com o resto dos recicláveis, é vendido é o retorno é dividido entre os catadores de acordo com a quantidade de dias que eles estiveram presentes. Além do papel branco, a universidade também fornece os lixos das praças. Entretanto, esse lixo é mais sujo e contaminado, não podendo ser muito aproveitado.

Parte dos papéis enviados pelo Mackenzie.

O objetivo dessa parceria, acima de tudo, é divulgar o trabalho das pessoas que querem, de fato, dar uma ‘reviravolta’ em suas vidas, voltando ao mercado de trabalho. Mas, também é conscientizar a comunidade mackenzista sobre o que acontece com o lixo descartado nas praças de alimentação e nas lixeiras espalhadas pelo campus. O seu lixo não some ali.

Esteiras onde é feita a separação do material reciclável.