Poesia Suspensa 2018

A maior crise de quem escreve talvez seja o medo. Muitos têm medo de mostrar suas poesias, crônicas, contos, ensaios, etc. É natural. Geralmente temos medo sobre o que as pessoas vão achar, se elas irão gostar, se irão desgostar, se entenderão ou se não acharão nossos escritos tão geniais como eles são em toda a fertilidade de nossas mentes literárias.

Alguém importante, em algum momento importante da História, disse que medos só são vencidos se forem enfrentados (ou alguma coisa parecida com isso). Esta frase é muito clichê, mas se não fosse verdade não seria clichê.  Só há uma forma de vencer o medo de mostrar às pessoas o que escrevemos, mostrando! É inevitável. E é exatamente por isso, que a editoria mais literária da Redação Virtual, te convida a participar do concurso Poesia Suspensa.

Pela terceira vez, o concurso Poesia Suspensa irá invadir o CCL. Embora carregue poesia no nome, desta vez, os contos também ganharam uma categoria própria. Sobre o projeto, disse Hudson Marlon, aluno do curso de Letras do Mackenzie, e um dos organizadores do projeto: “A proposta é dar espaço para aqueles que escrevem, mas não têm oportunidades para divulgarem seus textos”.

Todos os alunos dos cursos do CCL poderão participar. Serão premiados os três melhores nas categorias poesia e conto curto (até três páginas). Todos os textos selecionados ficarão expostos no 3º andar do RW. A divulgação do concurso está sendo feita nas salas, e por meio de cartazes espalhados pelo prédio Reverendo Wilson.

Em caso de duvidas, e para receber mais informações, acesse a página do Poesia Suspensa no Facebook: www.facebook.com/poesiasuspensa/

E se ainda assim, você se sentir acanhado, com medo de mostrar ao mundo o quão brilhante você é, o concurso permite que pseudônimos sejam utilizados. Perca o medo! Não deixe engavetadas suas ideias brilhantes.

 

Falando em poesia, clique aqui e confira uma novíssima em nossa editoria!

Matheus de Siqueira Nunes

Um apaixonado por futebol, que assiste basquete semanalmente, joga truco ocasionalmente e tenta viver poeticamente…