Palavras da imperfeição

Eu tenho sido injusto. Para dizer a verdade, tenho sido injusto desde que consigo me lembrar, até no tempo que eu estava aprendendo as coisas. Reclamava e culpava você por coisas que eu não tinha maturidade para entender, ou que simplesmente não conseguia fazer, ou então as coisas que eu era obrigado a fazer sem entender o motivo. Reclamei, mas hoje eu percebo o quanto eu errei.

Fui injusto quando reclamava de qualquer dificuldade que me atingia, quando na verdade você segurava uma avalanche sem fim de problemas que eu não conseguia nem imaginar, mas você fazia com um sorriso no rosto, você acreditava que um dia ia valer a pena, que EU ia valer a pena.

Nunca fui perfeito, longe disso. Não sai da minha cabeça todas as vezes que falhas minhas nos afastaram. Todas as vezes em que meu orgulho não deixou que eu te abraçasse ou minha arrogância falou mais alto do que seus conselhos. E mesmo assim você nunca mudou sua postura, continuava acreditando em mim, e quando outras pessoas perguntavam, você respondia “é o jeito dele”.

Não sei dizer se hoje todo aquele sacrifício para aturar esse meu jeito valia a pena, ou se eu cumpri com as expectativas que tinha sobre mim. Também não sei se existem outras pessoas que pensam do mesmo jeito que eu, mas quero que saiba de uma coisa: Mesmo que eu não expresse através de gestos ou palavras no nosso dia a dia, você é tudo para mim.

Pode ser que eu não mereça ter você como mãe, mas pode ter certeza que é a única que eu quero ter.