ONU e a questão da falta de recursos

Nesta terça feira, 13 de novembro, a ONU (Organização das Nações Unidas) reuniu representantes para debater os problemas das operações de paz. Há um déficit no número de profissionais e materiais de caráter militar. A conferência está sendo sediada em Vancouver, no Canadá, e teve a duração de dois dias, terminando hoje.

O subsecretário-geral de Apoio ao Terreno, Atul Khare, tem informado a mídia sobre os dados, alertando sobre a urgência do assunto. Dentre os recursos em falta, podem ser destacados aqueles que envolvem a área da saúde. Com tal carência, o objetivo das operações de paz acaba tornando-se limitado. Afetando, assim, a vida dos mais necessitados.

Celebração da conquista dos direitos humanos na África do Sul

O objetivo da ONU com as Operações de Paz está no cuidado com os países de baixas condições. O foco é a necessidade da manutenção dos direitos humanos em locais com deficiências nos índices político-econômicos e sociais. Porém, para obter sucesso na universalização dos direitos humanos, é necessário meios de desenvolvimento.

A falta de apoio no sentido militar prejudica o andamento do processo e deve ser visto como fator de risco. Não há tropas suficientes. Assim como não há assistência militar. Sem contar os remédios e profissionais da área médica. O início da conferência, portanto, deu-se por essa necessidade de analisar o problema e achar maneiras de amenizar a situação. Tudo visando o bem maior daqueles que não tem condições de desenvolvimento sem o apoio da organização.

A participação feminina como pauta para mudança

Ao reunir mais de 500 representantes de aproximadamente 80 países, foi aproveitado que se iniciasse outras discussões relacionadas as operações. Na pauta da conferência, foram citados novos compromissos para os Estados-membros e países colaboradores. Dentre eles, a representatividade feminina. A ONU deixou evidente a necessidade de uma maior integração de mulheres às tropas, desconstruindo os constantes preconceitos sociais.

Em relação a representatividade feminina, a professora Valéria Martins do curso de Jornalismo comenta “Vejo a inserção de mulheres nas tropas militares como mais um avanço na luta pela igualdade entre homens e mulheres. Se elas têm capacidade, por que não trabalharem nesses campos? Existem inúmeras mulheres que sempre sonharam ajudar em missões militares, que têm vontade de lutar em guerras em busca da paz, mas que antes eram impedidas. Então, vejo a inserção das mulheres na Marinha, no Exército e na Aeronáutica com grande felicidade e orgulho”.

É necessário o entendimento dos principais assuntos internacionais para criar um contexto da realidade que vivemos. Muitas vezes, questões de apoio social são passadas despercebidas. Porém, não deveria ser assim. Um assunto como a insuficiência de recursos de manutenção da paz deve ter sua importância destacada.

Com isso, aumentam-se as chances de que o problema seja solucionado. A construção de um mundo melhor inicia-se no acesso a informação. Pessoas bem informadas tem base para desenvolver. E, assim, estaremos um passo a frente dos objetivos da ONU para universalizar direitos básicos. O direito de ser humano. Saiba mais sobre outros projetos da ONU aqui.

 

Camila Oliveira

Paulistana de berço mas o coração é um pouco de cada lugar que passei. Sou uma mistura de momentos, experiências e tenho muita história para contar. “Life isn’t about waiting for the storm to pass. It’s about learning to dance in the rain”.