O que seria de mim sem você, português?

Saudade. Palavra que carrega um peso enorme. Acompanhada de sorriso ou de lágrima. Mas sem definição exata para qualquer um que não fale português. Esse sentimento é sentido por todos, mas entendido por poucos. É bobagem sim dizer que só no português há “saudade”. Porém é fato, qualquer outra língua tem dificuldade em traduzir ao pé da letra o que ela significa.

E qual verbo você usaria para substituir “apaixonar”? Já que “amar” seria demais e “gostar” pareceria pouco. Essa é outra palavra que não se traduz. Eu, particularmente, não seria a mesma sem ter me apaixonado. Ou melhor, sem ter conjugado esse verbo, mesmo com medo de que não o conjugassem de volta.

Já o famoso “cafuné”, seria tão complicado ter que descrevê-lo toda vez que eu quisesse um. Mas seria o necessário se não fosse essa língua tão complexa de ser aprendida e tão linda de ser dita. Na verdade, só o português abrasileirado me permite suplicar por esse carinho tão facilmente.

Enfim, toda a minha gratidão a essa língua maravilhosa. Somente com ela tenho sido capaz de expressar perfeitamente o quanto sinto sua ausência, mesmo que tenham se passado horas ou semanas. Graças a ela, você é capaz de deixar claro que está apaixonado. Mesmo que tenha que repetir isso constantemente.

Bendita língua portuguesa brasileira, que permitiu Dominguinhos querer um xodó. Quanta razão ele tinha ao dizer que seria mais alegre se o tivesse. Um “valeu” a este idioma, por me permitir, todos os dias, expressar saudade. Por mais que Jobim peça que ela se vá, eu tenho implorado para que ela fique. Já que só assim, eu seguirei sentindo o prazer de  “matar a saudade” de você. E até mesmo a felicidade de pegar no sono todas as vezes que recebo um cafuné seu ou de demonstrar todo meu afeto chamando-o de “xodó”.

Leia sobre escritores africanos que usam a língua portuguesa aqui.

Júlia Gabriello
Nascida em Ribeirão Preto, mas paulistana de coração. Amante dos encontros e desencontros da vida e apaixonada pela escrita. Acredito que cada um carrega um mundo, por isso, escrevo para espalhar meu universo "particular".