O que eu quero de você?

O que eu quero de você?

Talvez essa seja a pergunta

Não vou me colocar a prova de balas

Para que quando me acertes, sinta dor

 

O que eu quero de você?

Te criei no mundo de “Alice”

Te desenhei no primeiro olhar

Te reinvento, toda vez que te vejo

 

O que eu quero de você?

Não é seu, é todo meu

Feito por mim, unicamente meu

Te minimizo aos meus desejos

 

O que eu quero de você?

Não dormiria honesto, não acordaria justo

Te alimentaria com o vazio

Te saciaria com a saudade

 

Em um bar, com sons abafados

Sobre a velha mesa rabiscada

A sobriedade indiferente

Te repousei em meu copo, meu corpo

 

O que eu quero de você?

Mais uma noite

Uma distante madrugada

A sua presença, sem palavras

 

Poema de Felipe Fernandes, aluno do 4º Semestre de Publicidade e Propaganda