O poder feminino além das telonas

No domingo que antecede o dia das Mulheres fomos prestigiados com um discurso de empoderamento feminino feito pela atriz Frances Mcdormand durante o Oscar. A vencedora do prêmio de melhor atriz, durante seu agradecimento fez questão de criticar a indústria cinematográfica machista e pouco diversa que permanece em pleno século XXI.

Ela iniciou sua fala agradecendo ao diretor do filme “Três Anúncios para um Crime”, o qual foi protagonista:

“Eu quero agradecer Martin McDonagh, olhe o que você fez. Somos um bando de rebeldes e anarquistas, mas no final acabamos nos saindo muito bem (…). Eu quero agradecer cada pessoa neste local, minha irmã Dorothy (Eu amo você, Dot). E eu, especialmente, quero agradecer o meu clã: esses dois indivíduos foram criados por uma mãe feminista, eles valorizam uns aos outros e os que estão ao redor deles. Eu sei que vocês estão orgulhosos de mim. E isso me preenche com uma alegria infinita”.

Em janeiro de 2018 já tínhamos presenciado o movimento do Time’s Up, apresentado no Globo de Ouro, onde várias atrizes se uniram para denunciar casos de assédio em Hollywood. Frances Mcdormand quis agora reforçar o espaço que a mulher ocupa no meio cinematográfico, o quão difícil é seguir essa carreira seja na frente ou atrás das câmeras.

“Seria uma honra se eu pudesse ter todas as mulheres indicadas em todas as categorias aqui, de pé, comigo nesta sala hoje. Meryl, se você fizer, todas as outras vão fazer também.”

E assim, todas (ou a maioria) se levantaram em meio a salva de palmas e puderam se entreolhar com carinho e admiração pela conquista (finalmente) de mais espaço.

“Ok, todos vocês. Todos vocês, olhem ao redor. Olhem ao redor, senhoras e senhores, porque todas nós temos histórias para contar e projetos que precisam ser financiados”.

Confira o momento

E continua:

“Não simplesmente falem conosco na festa de hoje. Convide-nos para o seu escritório ou você pode vir para o nosso, o que for melhor, e falaremos melhor sobre isso. Tenho duas palavras a dizer antes de sair daqui esta noite. Senhoras e senhores: cavaleiro de inclusão.”

Para finalizar ela citou a cláusula de inclusão (inclusion rider), tópico ainda desconhecido por muitas pessoas. Durante a coletiva de imprensa após ganhar o prêmio, Frances Mcdormand explicou a questão

“Para todos que estão em uma negociação para um filme, uma cláusula de inclusão significa que você pode pedir ou demandar por, pelo menos, 50% de diversidade — não só no elenco, mas também na equipe técnica.”

 

A repercussão desse discurso ajuda para que cada vez mais as pessoas tenham acesso à informação e com isso as mulheres tenham mais liberdade de atuação independente da área que desejam atuar.

Luana Cunha de Figueiredo

Futura Jornalista apaixonada por girassóis e pelos pequenos detalhes da vida. Curiosa o suficiente para questionar e refletir sobre tudo a sua volta.