O dia em que o Coachella mudou de cor

Após um longo período de espera, a famigerada apresentação de Beyoncé Knowles no Festival de música e arte Coachella ocorreu no mês de Abril. Mulher negra e ativista do movimento feminista, Beyoncé é conhecida por suas manifestações ideológicas nos palcos e shows aclamados e históricos.

O Festival que é conhecido por ter um público majoritariamente caucasiano, teve, pela primeira vez, uma artista negra e feminista como  atração principal. Seu marido, Jay-Z, já havia se apresentado no festival. O aluno do 6 semestre de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie e um dos representantes do Coletivo Negro Afromack, Lucas Souza dos Santos, 23, comenta que o Coachella existe desde o final dos anos 90 e somente em 2018 teve uma headline negra.  “Isso por si só é a demonstração de um problema histórico e estrutural que tem como base o racismo e permeia todas as variáveis da sociedade, inclusive o meio artístico”, afirma o estudante.

A artista que já estava prometida ao festival desde 2017, não pôde comparecer devido sua gravidez. Como compensação, Beyoncé tocou seus maiores sucessos como “Formation”, “Get me Bodied” e “Crazy in Love”. Algumas músicas como “Independent Woman” e “Survivor “ também ressaltaram o papel emponderado da cantora que permeia desde o início de sua carreira. Beyoncé performou com uma banda, em sua maioria negra, e com mais de 100 bailarinos. Suas performances continham diversas manifestações ideológicas, como referências a importantes figuras do movimento negro como Malcom X, Chimamanda e a cantora Nina Simone.

A estudante de Psicologia e participante do Afromack, Vera Honorato, 20, explica que o show foi repleto de danças e vestimentas características do tema collegial, que reforça a ideologia contra a segregação racial que perdurou nos Estados Unidos no século XX. Aos primeiros minutos, a cantora fez referências e tocou músicas de artistas ativistas como Kendrick Lamar e Jay-Z, seu marido.

“A apresentação da Beyoncé não só demonstra uma abertura do Coachella, mas demonstra um patamar que somente ela alcançou até agora”, conta Vera.

Beyoncé foi ovacionada pelos críticos e por colegas já no primeiro dia do evento ao abrir o festival e demonstrar todo o seu potencial. “Ultimamente, as pessoas começaram a reconhecer a capacidade da Beyoncé, ela consegue expor a cultura do povo negro”, conta a estudante do segundo semestre de Jornalismo e fã da cantora, Emilly Cristina do Nascimento, 18.

De fato, a cantora possui grande influência, não só em seus fãs. Beyoncé demonstrou ao longo de sua carreira suas habilidades vocais e, principalmente, ideológicas, ao imputar no palco diversas referências e usá-lo como forma de protesto e manifestação de críticas sociais.

“Ela consagra a importância de refletir a arte, a música e o que se faz dela, como forma de pensar e ser político. Por estes e tantos outros motivos, o show dela foi icônico”, afirma o ativista Lucas.

Gostou dessa matéria? Confira aqui muito mais.

Uma preta de personalidade forte e em fase de crescimento. Estudante de jornalismo, que ama fotografia. Sempre aceita um desafio e “dá a cara a tapa” em tudo.