O Centro Histórico e a identidade de São Paulo

A Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM) participou da Jornada do Patrimônio neste final de semana. Foram realizadas palestras sobre a arquitetura de São Paulo e ainda uma visitação guiada pelo campus. O evento começou na manhã de sábado, dia 27 de agosto, com uma discussão no Centro Histórico e Cultural do Mackenzie sobre a identidade urbanística da cidade. Vários participantes apresentaram sobre seus trabalhos e pesquisas relacionadas ao tema.

Nádia Somekh, diretora do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (CONPRESP), discursou sobre os desafios de sua gestão. Ela disse que um deles foi o de dar visibilidade aos espaços tombados, acabando com uma visão elitista que as pessoas acabam tendo sobre o patrimônio: “Quem não conhece não preserva”.

Marcos José Carrilho, professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UPM, apresentou alguns dados sobre o crescimento que ocorreu em São Paulo no início do século passado e os planos de melhoria urbana da época.

O Centro Histórico e Cultural do Mackenzie foi construído entre 1894 e 1896. Nos anos 90 passou por um processo de tombamento, instrumento utilizado para preservar patrimônios que tenham algum valor histórico ou cultural. Desde então, o edifício está registrado no CONPRESP e no Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT).