O ANO DA DIVERSIDADE NO OSCAR

      A grande cerimônia da academia premia as estrelas de 2019.

Uma das premiações mais importantes da história do cinema aconteceu no último domingo, 24 de fevereiro às 20h30. O Oscar teve sua 91° edição realizada no Teatro Dolby, em Los Angeles EUA. Essa cerimônia é realizada todos os anos pela Academia de Arte e Ciências Cinematográficas, ou popularmente conhecida como The Academy.

A emocionante noite de premiação contou com incríveis apresentações musicais, vitórias inesperadas e discursos comoventes dos vencedores. O Oscar teve uma pequena diferença dentre as suas edições, essa não contou com um apresentador que como de costume é responsável por conduzir a noite, devido o afastamento do então anfitrião Kevin Hart após alguns posts preconceituosos em suas redes sociais.

Durante a premiação aconteceram algumas performances musicais como a de Bette Midler, que cantou a música tema do filme O Retorno de Mary Poppins, e a tão aguardada apresentação de Lady Gaga e Bradley Cooper da canção Shallow, que é tema do longa Nasce uma Estrela.

O Oscar passou por uma espécie de “revolução” a quatro anos atrás, pois haviam sido indicados apenas dois negros.Além disso, dos 127 indicados apenas 25 eram mulheres.Portanto, a partir daquele ano eles começaram a convidar mais mulheres, negros e estrangeiros para fazer parte da Academia. A mudança é perceptível quando observamos a lista de indicados como “Melhor Direção” na qual há diretores de quatro nacionalidades diferentes: Estados Unidos, Grécia,México e Polônia. E também por notar que 7 estatuetas foram entregues à profissionais negros e 15 a mulheres.

A temática racial também ganhou destaque na edição deste ano. “Green Book: O Guia” ganhou a estatueta de “Melhor Filme”e “Melhor Roteiro Original”, a trama baseada em uma história real mostra a viagem de um pianista famoso nos anos 60 e seu motorista. Em um ambiente onde o segregacionismo era comum, eles têm de contornar as adversidades e seguir em frente. Mahershala Alilevou para casa o prêmio de “Melhor Ator Coadjuvante”pela interpretação do discreto Dr. Don Shirley.

O longa que conta a trajetória do Queen “Bohemian Rhapsody” foi o grande vencedor da noite, levando quatro estatuetas: Melhor Edição de Som, Melhor Mixagem de Som, Melhor Montagem e Rami Malek em  sua primeira indicação ganhou o prêmio de “Melhor Ator”.

(Instagram: @theacademy)
Rami Malek após receber o prêmio.

O favorito de Fernando Salinas, professor da universidade presbiteriana Mackenzie “Roma” foi um

(Instagram: @theacademy)
Diretor do filme Roma, Alfonso Cuarón.

dos filmes mais comentados da edição. Principalmente por ser estrangeiro e estar concorrendo na categoria principal e também por ter uma temática diferente do que estamos acostumados a ver no cinema hollywoodiano. A trama trouxe para o México três estatuetas: Melhor Fotografia, Melhor Filme Estrangeiro e Alfonso Cuarón conquistou o prêmio de “Melhor Diretor”. É a quinta vitória mexicana nesta categoria em seis anos.

 

 

 

(Instagram @HugoGloss)
Elenco Pantera Negra

 

“Pantera Negra” foi o primeiro filme de super-herói a ser indicado como “Melhor Filme” no Oscar. O longa teve seus momentos de glória e pôde levar três prêmios para Wakanda: Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Direção de Arte e Ruth E. Carter fez história se tornando a primeira mulher negra a ganhar na categoria de “Melhor Figurino”.  Outra vitória do filme “Pantera Negra” foi a de Hannah Beachler, por melhor desing de produção, tornando-se a primeira mulher afro-americana a ganhar essa categoria. Esses não foram os únicos prêmios que a Marvel conquistou. A companhia ainda levou para casa o prêmio de “Melhor Filme de Animação” com “O Homem-Aranha no Aranhaverso”.

 

 

 

 

 

 

Lady Gaga, como já era esperado, levou o prêmio de “Melhor Canção Original”por Shallow, música que ajudou a compor para o longa “Nasce Uma Estrela”. Ela e seu parceiro de cena Bradley Cooper, que também era diretor do filme, protagonizaram um dos momentos mais esperados da noite quando performaram a canção na premiação.

(Instagram: @theacademy)
Lady Gaga após receber o prêmio.

Spike Lee conquistou seu primeiro Oscar oficial de “Melhor Roteiro Adaptado” com o filme “Infiltrado naKlan”. A história baseada em fatos reais gira em torno de um policial negro que consegue adentrar a KuKluxKlan. O diretor ficou extremamente feliz ao receber o prêmio, porém, quando Green Book foi nomeado como Melhor Filme, Spike teria se irritado e virado de costas para o palco durante o discurso.

A atriz Olivia Colman, estrela do filme “A Favorita” foi uma das surpresas da noite. Ela conquistou o prêmio de “Melhor Atriz” surpreendendo a todos que esperavam e torciam para que Glenn Close, protagonista de “A Esposa” levasse a estatueta.

Ainda ressaltando a globalização e inclusão que a Academia provou estar se adaptando neste ano. O diretor israelense Guy Nattiv ganhou a estatueta de “Melhor Curta Metragem em Live-Action” pelo curta “Skin”. Ele mostra como um sorriso de um homem negro para um menino branco acarretou em uma intensa guerra de gangues. A diretora e ilustradora chinesa Domee Shitambém levou pra casa o Oscar de “Melhor Curta Metragem de Animação”com o curta “Bao”. Além disso, Rayka Zehtabchi conquistou o prêmio de“Melhor Documentário de Curta-Metragem”com o curta “Absorvendo o Tabu”. A própria diretora ficou surpresa com o fato de um filme sobre menstruação ganhar o Oscar.

 

 

Texto por: Emilly Nascimento e Guilherme Porrino.