Nossos sonhos são os mesmos há muito tempo

“Nossos sonhos são os mesmos há muito tempo, mas não há mais muito tempo para sonhar” Hoje acordei com esse verso de Gessinger na cabeça e enquanto observava a teimosa neblina que ainda não havia subido as nove da manhã fiquei pensando no seu significado.

Fiquei imaginando por onde andavam os meus sonhos. Será que eu havia deixado que a rotina maluca os soterrasse? Lembrei que sonhava em ter melhores amigos, igual aqueles dos filmes que sempre andam juntos e acabam virando sua família sabe? Esse foi um dos meus maiores sonhos desde pequena e um dos que consegui alcançar. Sou grata a cada um de vocês que cruzou meu caminho e seguem ele comigo hoje.

Mas esse não era meu único sonho. Lembro de tantas coisas que queria fazer. Viajar é uma delas, meu coração nunca quis viver sem conhecer lugares novos. Lembrei que antes vivia a procura de lugares e preços, planejando viagens para o futuro. Há muito tempo não faço mais isso e só hoje me dei conta. Só hoje me dei conta que parei de sonhar. Não meus sonhos antigos não morreram, mas novos sonhos não chegaram. Deixei de sonhar porque me esqueci de criar novos sonhos a medida que os velhos se concretizavam não todos claro as viagens, por exemplo, ainda não foram feitas. Mas amigos/família, entrar na faculdade, encontrar um amor todos esses foram realizados e novos não chegaram no lugar.

Acabei entendo o que a frase de Gessinger significava. “ Nossos sonhos são os mesmos há muito tempo, mas não há mais muito tempo para sonhar”. Tempo essa é palavra chave. Nos deixamos levar pelo trabalho, pelos estudos e tantas outras coisas. Nos deixamos levar pela rotina, e ela soterra nossos sonhos. Percebi hoje olhando a neblina que me tornei presa aquilo que jurei nunca ser. Encontrei-me hoje presa no ciclo vicioso da rotina, esmagada por uma agenda cheia, apagada pelas responsabilidades. Levantei da cama decidida a romper isso, mas é como diz aquele filme francês “são tempos difíceis para os sonhadores”.

Que tal parar tudo o que está fazendo agora?