No meio do nada

No meio do nada vi essa casa se erguer

No meio do nada vi flores surgirem

No meio do nada vi a grama se estender

No meio do nada vi eles se encaixarem,

 

reais se tornaram

estes meus sonhos que na casa entraram,

nesta casa que ergui no meio do nada.

Construi com tanta estima (até a camada mais profunda).

 

No meio do nada transformei a casa em castelo,

mas vi tudo cair.

Sonhos são frágeis, vi tudo ruir.

 

Agora quero esquece-lo,

este castelo cujas ruinas me assombram,

cujas sombras do que fora no passado me deslumbram.

 

Fotografia por Ju Klaic