arquitetura

Natália Lacerda: Um amor pela arquitetura

Não sei de onde veio isso, mas eu sempre quis arquitetura. Quando eu estava no ensino médio, comecei a pesquisar mais sobre o curso. Me interessei e decidi que era isso que eu queria. No final deu certo”. Natália Lacerda, 20 anos, cursa o terceiro semestre de arquitetura. Assim como seu amor pelo curso, é apaixonada pelo Mackenzie. Sempre foi sua primeira opção, além de seu sonho estudar aqui.

A menina ainda confessa que tinha um pouco de receio de dar errado sua escolha para o curso. Pois só seguiu seu amor pelo curso, sem saber ao certo o que poderia acontecer. “ Eu não tinha muita noção, só queria arquitetura, só que calhou que deu muito certo”.

Desde que entrou na faculdade, a mackenzista diz que muitas coisas em sua vida mudaram. Além de considerar que a melhor experiência de sua vida foi entrar no Mackenzie e ter conhecido o amor de sua vida, ela ama o que faz. “Trabalhar e estudar alguma coisa que eu gosto, que eu amo e me interesso. Porque na escola eu só fazia as coisas para passar de ano. Agora eu gosto do que eu faço. É muito clichê dizer isso, mas é aquela frase, se você trabalha com algo que você gosta, você não trabalha um dia da sua vida, e isso é real”.

Além do seu amor pela arquitetura, a garota no seu tempo livre gosta muito de ir ao cinema e a shows de suas bandas preferidas. Mas um hobbie que ela gostaria de voltar é o hipismo. “Pratico desde pequena, uma das minhas grandes vontades e voltar a montar, mas é um esporte muito caro”.

Natália encerra a entrevista dizendo que se pudesse fazer algo para mudar o mundo, uma palavra definiria: Empatia. “Quando alguém tenta se colocar no lugar do outro, isso ia mudar tudo, todos os problemas do mundo seriam resolvidos, se as pessoas se colocassem no lugar da outra.”

Para mais perfis, clique aqui

Escrito por Paola Churchill

Paola Victoria Churchill Bigal

Desde pequena, meu maior sonho era ser uma estrela de musical da Broadway e viajar pelo mundo. Descobri com o tempo, que não sabia dançar e muito menos cantar, então decidi minha segunda paixão, que é escrever. Tão apaixonada por filmes e séries, que passo 80% do tempo falando sobre isso e outros 20% torcendo para alguém comentar sobre, para que eu possa continuar falando.