Não Temos Condições de Responder a Todos – o punk no SESC Consolação

E depois de tanto tempo, a Faço Arte finalmente voltou. 😊 Como estão, mackenzistas?

No dia 21/02 eu tive o privilégio de visitar a exposição Não Temos Condições de Responder a Todos, aqui do ladinho, no SESC Consolação. Com a curadoria de Alexandre Cruz Sesper, a exposição reúne uma série de arquivos, cartas, fitas K7, discos de vinil, cartazes de shows, entrevistas e diversos conteúdos visuais referentes à produção cultural da cena punk dos anos 80 e 90. Mas corre logo lá no SESC porque dia 5 de março a exposição já acaba, hein?

A frase título da exposição foi escrita por Marcilio Lopes, publicada no fanzine Crude Reality em 1990, referente a cena musical conhecida como hardcore punk. Em uma época sem o avanço acelerado da tecnologia como vemos hoje, o título busca ilustrar a quantidade de cartas recebidas no final dos anos 80 e a dificuldade em responder a todas, visto que o processo era totalmente manual, além de ser a primeira forma de rede social para muitas pessoas inseridas no meio. No editorial da exposição, o curador Sesper ainda acrescenta que “o fazer e o criar importavam, era impossível entrar nesse circuito sem participar de algum processo criativo em que conteúdo e estética próprios eram desenvolvidos com o material, as técnicas e as ferramentas disponíveis”.

E por fim, vamos as minhas impressões sobre a exposição!

Intervenção repleta de cartazes e pôsteres logo na entrada, com documentário e outros conteúdos audiovisuais disponíveis para o público.

Pôsteres apoiando o não consumo de carne entre a cena punk. Parafraseando os próprios escritos da exposição, “o artista passa a ser questionado por sua função na sociedade de consumo e começa a ser respeitando dentro da cena como um condutor de mensagens e críticas audiovisuais, que poderiam ter um efeito de mudança muitas vezes mais real e eficaz do que um simples texto panfletário já anacrônico”.

Algumas das diversas colagens em uma parede, referenciando a própria cena punk, anarquismo, Beatles e empoderamento feminino, além de um sistema de cópia de fitas K7 para pendrives. Era só levar o pendrive que você podia ter o conteúdo das fitas com você, e novamente, manualmente. Uma graça.

Essa aqui eu achei genial: uma mesa dedicada integralmente a cópias! Você escolhia algumas das folhas dedicadas a reprodução, de matérias a capas antigas de diversas revistas, e você mesmo realizava o processo nas impressoras disponíveis. “Xeroquei” um fanzine e uma página aleatória falando de Freud (que por estar em inglês ainda não tive coragem de ler. hihi)

Cartazes, fotografias, camisetas, fitas K7, cartas, além de uma icônica máquina de escrever que eu achei uma graça.

E finalmente o momento mais memorável do dia: a oficina de bordado, mediada pela artista plástica Silvana Mello. Cheguei um tanto em cima da hora, mas deu certo: consegui um lugarzinho ao sol para bordar! Inclusive devo ressaltar que não sei absolutamente NADA de bordado, mas a Silvana Mello foi totalmente prestativa e me ajudou a fazer a minha tentativa de adaga hehe. Depois de umas duas horas tentando, finalmente terminei meu botton, e saí mostrando pro mundo todo porque saiu uma beleza, vai?

E por fim, a exposição continua. Você pode clicar aqui para ver as outras atividades disponíveis e aqui embaixo tem umas informações mais genéricas sobre a exposição. Espero que tenham gostado, até a próxima! 😊

Exposição: Não Temos Condições de Responder a Todos

Duração: 25/01 à 05/03

Endereço: SESC Consolação – Rua Dr. Vila Nova, 245. O método mais fácil de chegar é pela saída da Maria Antônia. Dois minutos e cheers!