Não há

A gente sempre pensa que o mundo é do outro.

Não, não é dele, nem deles, nem dela.

Também não é meu, nem de ninguém.

Também não é de todos, nem seu.

 

A realidade é indomável, isso é indiscutível

e nós perdemos à procura de seu dono.

Esse que não existe e que tentamos ser.

Talvez o mundo não exista.

 

Sobre o mundo: não sei.

Mas hoje sei a verdade sobre mim:

Eu não existo em mim,

nem hei de existir.

 

O não haver de ser é a maior loucura.

Um silencio perpétuo na alma.

Um bater de  coração que cessa.

Coração, para que ter?

 

Dai surgem nossas dificuldades de interpretar o mundo.

Nós não existimos em nós,

nem hemos de existir.

O não haver de ser é a maior loucura.

 

Fotografia por Guilherme Rossi