Mochilão: Sobre voltar alguém diferente

Chegamos à nossa última postagem da série sobre mochilão. Dessa vez falaremos um pouco sobre o pós-viagem: A bagagem final que será levada para sempre na vida de quem se aventura em um mochilão.

Não existe um manual para esse tipo de viagem. Como vimos nos posts anteriores, o roteiro é traçado de acordo com as vontades e necessidades do viajante. Apesar de bem diferentes, as viagens dos nossos entrevistados anteriormente (Lívia e Vinicius) tiveram algo em comum: O aprendizado adquirido ao fim daquilo tudo.

Estar em um local diferente daquele de costume e mudando constantemente, faz com que nos adaptemos às mudanças e aceitemos as dificuldades que a vida nos impõe. Quanto mais dificuldades são enfrentadas em um mochilão, maior é o seu crescimento.

Conhecer suas limitações e se entender melhor faz parte de uma das vantagens finais dessa aventura. O medo e a saudade, por menores que possam ser em alguns casos, ajudam a dar valor ao que antes era visto de forma superficial no cotidiano.

Além disso, vive-se experiências maravilhosas, porque, afinal, viajar dessa forma também proporciona muita diversão, festas, momentos relaxantes e novas amizades. O melhor disso tudo é que não é preciso embolsar muito dinheiro, porque, dependendo de onde você deseja ir, pode gastar bem pouco.

Cada um faz o mochilão da forma que deseja. A graça está justamente na quebra de padrões e regras; desde a preparação até a volta tudo pode ser uma surpresa.

E você? Se interessou em fazer um mochilão? Se sim, está esperando o que para iniciar sua viagem? A duração, roteiro, estadia e parte financeira é você quem monta. Só é preciso muita vontade e empolgação para embarcar nessa!

Fez um mochilão e tem histórias para contar? Fala para a gente!