Uma mistura de direito, respeito e Mackenzie

Nascida aqui em São Paulo, Letícia Galdino tem 19 anos e está cursando o segundo semestre de direito. Começa a entrevista nos dizendo que estuda no Mackenzie desde os seus 4 anos, são 15 anos de muito amor pela instituição. “Eu estudo aqui desde pequena. Sou mackenzista desde sempre, Mackenzie tá no sangue, já flui. Aqui é muito família, muito paizão. Se você precisa de apoio, você vai achar em algum lugar. Nós somos uma família.” 

Quando questionada sobre a escolha de sua carreira, Galdino nos conta que sempre quis seguir uma profissão na área do direito. “Desde os meus 7 anos. Eu não me imagino em outra coisa. Sempre brinquei que a minha segunda opção era psicologia, mas minha primeira opção tinha que ser concretizada, tinha que dar certo”. Hoje, com esse sonho mais que realizado, a estudante nos conta que já tem novos sonhos para realizar, “Quero ser delegada. Para mim seria uma bela de uma conquista passar no concurso”.

A escolha por essa carreira não foi somente por causa de uma paixão pela profissão. A mackenzista de alma e coração, conta que há muitos problemas aqui no Brasil que ela não suporta mais ver e nada ser feito. “Não sei lidar com o preconceito, com a injustiça e com a falta de respeito que o mundo tá vivendo. Pra mim o direito sempre foi a carreira que eu consegui talvez me encontrar por ser muito justa.”

Além de todo o ensinamento e ferramentas que o direito lhe proporciona, Letícia também acha que uma das formas de minimizar a injustiça, o preconceito e a desigualdade é o simples ato de respeito. “Antes de você respeitar o próximo, você tem que se respeitar. Você se respeitando, aceitando as coisas, condições, você vai passar a respeitar o outro. No mundo que a gente tá vivendo hoje, isso é essencial.”

Para terminar a entrevista, perguntamos uma frase que a define e em tom de brincadeira ela nos responde, “Amor próprio. Não precisa nem de uma frase, são só duas palavras: amor e próprio. Se você não sabe se respeitar, se você não se ama, você não vai adiante. É muito mais fácil passar por cima de alguém que não tem amor próprio.”

Escrito por Douglas Ono

Foto por Douglas Ono