Jean-Michel Basquiat no CCBB: a criança brilhante

Desde o dia 25 de janeiro o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) estreou sua nova exposição. Ela reúne mais de 80 trabalhos assinados pelo artista Jean-Michel Basquiat, além de parcerias entre ele e Andy Warhol. Por ser a primeira vez que uma exposição de Jean pisa em solo brasileiro, a ETC&Tal decidiu reunir um pouco sobre esse artista e aconselhar que: não percam essa exposição.

Um artista prodígio. Começou sua carreira com os grafites que preenchiam as ruas de Nova York. Das ruas seguiu para as galerias de arte, onde teve o auge de sua carreira. Que durou poucos anos, com sua morte em 1988 aos 27 anos. Para os que acabaram de ouvir falar sobre ele, ainda desconhecem a importância de seu trabalho. Por isso, vamos evidenciar ela e mostrar o porquê essa exposição já deveria estar na sua agenda.

Obra de Jean-Michel Basquiat

Nascido no Brooklyn, Nova York, em 22 de dezembro em 1960. Era um dos poucos negros em seu meio. O racismo que sofreu por conta disso formou tanto sua personalidade crítica como artística, e influenciou muito sua arte. A crítica social e o expressionismo que usava em suas obras falava da condenação do passado racista dos EUA e a história de brutalidade policial do país. Além da celebração de heróis negros e de eventos que, de outro modo, estariam ausentes das paredes de galerias. Uma de suas pinturas mais famosas, “Defacement (The Death of Michael Stewart)” (Desfiguramento [A morte de Michael Stewart]), registrou a morte de um grafiteiro negro espancado por policiais de Nova York até morrer. Onde disse que “Poderia ter sido eu”.

Grafite do artista Kobra em NY – homenagem a Basquiat e Warhol

Além do cenário político sempre presente, Basquiat também se inspirava nas suas coisas favoritas. Essas eram: anatomia, filmes do Hitchcock e Jazz, hip-hop (onde pintava rimas de um rap de improviso) e grafite, sempre presente nas famosas “coroas” em suas pinturas, um símbolo de reverência no grafite. Curiosidade: ele e um amigo adotarem o pseudônimo artístico SAMO e espalharem seus grafites pelo SoHo, um bairro cheio de galerias de arte e galeristas cuja atenção queriam chamar, em Nova York.

A exposição Jean-Michel Basquiat: obras da coleção Mugrabi fica em exibição até o dia 07 de abril. A entrada é gratuita, e funcionará das 09h às 21h de quarta-feira à segunda-feira. A estudante de jornalismo do Mackenzie, Gabriela Catan, visitou o CCBB e diz ter adorado a exposição. Ela já conhecia o trabalho de Basquiat e o admira muito. “Ele mistura colagens, frases e grafites, em todas suas obras, por isso considero seu trabalho muito atual”.

Se quiser saber mais ainda sobre a história desse artista icônico, o documentário Jean-Michel Basquiat: The Radiant Child (A Criança Brilhante) (2010) conta sua história com partipações de artista famosos como David Bowie, interpretando o principal amigo de Basquiat, Andy Warhol.

Vem dar uma olhada nesse poema incrível sobre tempo perdido!

Larissa Iole de Freitas

Paulistana propensa a sonhar demais em meio a realidade. Apaixonada por histórias novas, café(s), bons livros e uma boa playlist que acompanhe isso tudo.