Final feliz para os Javalis Selvagens

Após duas semanas presos em uma caverna, os doze meninos e o treinador, Ekkapol Chantawong, foram resgatados com vida. Para realizar o resgate, o governo tailandês contou com quase uma centena de mergulhadores profissionais advindos do próprio país, do Reino Unido, Estados Unidos e Austrália.

No dia 23 de junho, foram passear em uma caverna na província de Chiang Rai, na divisa com Myanmar. Era para ser uma espécie de comemoração do aniversário de 17 anos de Peerapat Sompiangjai. O time já tinha ido diversas vezes para a caverna de Tham Luang, mas dessa vez, decidiram avançar um pouco mais por entre as passagens estreitas do local.

Em plena temporada de chuva, alguns pontos da caverna ficam alagados, tornando sua exploração extremamente perigosa.

O decorrer da história

Após certo tempo, começou a chover forte e alguns trechos ficaram alagados, como de costume. Os jovens não tinham alternativa e procuraram algum ponto seguro, para fazer isso, tiveram que adentrar ainda mais na caverna.

O técnico, Ekkapol Chantawong, também conhecido como Ake, havia sido monge antes de assumir o comando dos Javalis Selvagens. Com seus conhecimentos, ensinou aos garotos técnicas de meditação para poupar energia e ficarem calmos.

Do lado de fora da caverna, uma equipe foi rapidamente montada para discutir a melhor estratégia para o resgate.

Centenas de voluntários ajudavam da maneira que podiam, desde cozinheiros (para alimentar as equipes de resgate) até motoristas (que transportavam as pessoas pela região sem cobrar nada).

Parentes e moradores comovidos com a situação rezavam por horas na entrada do local, pedindo o retorno em segurança dos garotos.

No dia 28 de junho, mergulhadores ingleses, norte-americanos e australianos, principalmente, juntaram-se aos tailandeses para explorar o interior da caverna.

No dia 2 de julho, John Volanthen e Rick Stanton encontraram os meninos em um bolsão de ar, os 13 estavam vivos e bem magros.

Quatro dias depois, a morte do experiente mergulhador aposentado da marinha tailandesa, Saman Gunan, de 38 anos, deixou todos preocupados.

No dia 7, a chuva finalmente parou e as autoridades decidiram que era o momento exato de iniciarem o resgate.  Um a um, os garotos foram resgatados pelos dias seguintes.

Depois do resgate

Após duas semanas presos na escuridão e condições precárias da caverna, eles estavam a salvo. Não tinham doenças graves, apenas algumas infecções nos olhos e pulmões.

Com sua recuperação, os garotos e o treinador farão um retiro espiritual para agradecer tudo o que aconteceu.

Alguns estúdios de cinema já declararam interesse em produzir filmes sobre a história. Recentemente o governo tailandês decidiu que irá controlar as gravações.

O estudante de jornalismo do Mackenzie, Gabriel Pellegrine, considera que a história mostrou “o lado solidário do ser humano, com união, a missão foi bem sucedida.”

Por: Fábio Ribeiro Barreto