Filantropia move o mundo

     Marcela de Oliveira, 19 anos, estudante de Jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie conta suas experiências de trabalho voluntário na época do natal. Ela conta com a contribuição de terceiros para realizar as atividades de filantropia, pedindo doações de brinquedos para sua família e quem mais quiser ajudar.
         “Costumo ir em comunidades e no ‪centro de São Paulo para‬ fazer as doações”. Além do natal, ela sempre tenta realizar essas ações em datas comemorativas, como o dia das crianças. “Neste ano, resolvemos fazer da seguinte forma: procuramos por pessoas que queriam ajudar e fomos atrás de quem pudesse custear presentes para as crianças de um orfanato”.
         Marcela conta que esses trabalhos que ela realiza são muito importantes para seu crescimento pessoal. “Eu me apeguei muito no último ‘afilhado’ que tive”, diz. Os afilhados são as crianças que ficam sob a custódia de alguém disposto a dar um presente a ele.
          No dia da entrega dos presentes, acontecem gincanas e brincadeiras com as crianças do orfanato. Nem todas as crianças são órfãs, assim como nem todas são do orfanato, algumas só estão lá a fim de ganhar o presente de natal.
        A entrevistada diz que está gostando bastante do curso de jornalismo. “Ele superou todas as minhas expectativas e me trás cada vez mais certeza que é isso o que quero fazer pra vida”.
         “A faculdade mudou meu estilo de vida no sentido de ter maior responsabilidade, certezas e foco. Comecei a ser uma pessoa com decisões mais fortes e dar início a minha independência, além de conhecer pessoas incríveis e estar em um ambiente ótimo”, termina.
Texto por Guilherme Annis