Feliz dia do comediante!

Não sei se você, assim como eu, se sente velho. Eu me considero uma pessoa velha apesar dos meus dezenove anos. Me sinto velho por que sempre que me levanto de manhã, sinto uma já inseparável dor nas costas, quando vou jogar bola, meu joelho não me permite fazer coisas que eu fazia quando era mais novo. Atualmente, onde tenho encostado tenho dormido. Já não suporto mais sons altos e aglomerações de pessoas. Ultimamente, onze e meia da noite já é hora de estar na cama. Surpreende-me como em uma década fui de Bob Esponja a Lula Molusco.

É incrível como até meus gostos envelheceram. Assistindo futebol, olho com desdém para Messi e Cristiano Ronaldo e digo comigo mesmo: Esses caras não chegam nem perto dos craques da minha época… Ronaldo, Zidane, Ronaldinho. Estes sim eram jogadores de verdade! Quando o assunto é música, até acho as de hoje em dia legaizinhas, mas sinto pena das crianças de hoje em dia, que jamais terão a oportunidade de vivenciar as produções musicais dos anos 2000.

Enquanto escrevo este texto, olho para a parede que está atrás do computador e vejo três quadros de filmes. Todos antigos! Odeio efeitos especiais, mega explosões e coisas em 3D. O que me encanta é o preto e branco, a simplicidade e a leveza ao se fazer cinema. O quadro que eu mais gosto tem uns setenta anos de idade. Uma foto dos Três Patetas em cena.

É engraçado perceber como as coisas vão mudando conforme o tempo, o futebol, a música, o cinema. Tudo está mudado. Uma das raras coisas que não mudou é a necessidade humana de dar uma boa risada. Se colocarmos uma criança nascida há alguns anos diante de um filme dos três Patetas, Chaplin, Chaves ou do Gordo e o Magro ela certamente riria, assim como eu ainda rio. Pois o humor bem feito atravessa épocas, sobrevive às mudanças tecnológicas e ainda assim continua engraçando até os mais desgraçados desta terra.

Hoje, 26 de fevereiro, dia do comediante, desejo a todos um dia bem humorado. Não só a estes que não brincam em serviço, mas também aos humoristas do dia a dia. Aos que se disfarçam de pai, avô, colega de sala, açougueiro, cobrador, porteiro e amigo, só pra fazer a gente dar uma boa risada.

Clique aqui para ler uma resenha sobre o diário de Anne Frank

Matheus de Siqueira Nunes

Um apaixonado por futebol, que assiste basquete semanalmente, joga truco ocasionalmente e tenta viver poeticamente…