singular

Singular como as notas musicais

“Sempre gostei do Mackenzie, do espaço, dos livros, a oportunidade de trabalho depois” relata Ernâni Diogo Modesto, 18 anos, cursando o primeiro semestre de Economia.

O jovem escolheu essa graduação após ter estudado educação financeira no colégio. O curso, que tinha ênfase em previdência privada, fez com que Ernâni se destacasse, levando-o a considerar uma profissionalização na área.

Antes do contato com tal assunto, o estudante pensava em se estabelecer no mundo da música. “Sempre cantei. Sempre tem aquela coisa que a gente faz que nos faz sentir melhor, sabe? Quando eu estou numa má situação eu canto e passa.”

O mackenzista, além de aulas de canto, iniciou um projeto de orquestra, na sua cidade natal, Jacareí, no qual teve contato com violino. Atualmente, faz educação musical no Mackenzie, para, futuramente, fazer parte do coral.

A arte na vida do futuro economista contribuiu também para um processo de descoberta própria, como a controlar seus sentimentos e a valorizar cada momento de sua vida.

Quando criança, por exemplo, o estudante passou por situações delicadas: sofria bullying na escola por estar acima do peso. “Eu era o garotinho gordinho que xingavam e eu não fazia nada. Pessoas que eu achava que eram meus amigos, na verdade não eram. Isso me afetava, mas tentava evitar o assunto e comprava balinha para eles, para continuar com a amizade.”

Já no ensino médio, o mackenzista teve sua primeira frustração amorosa. Hoje em dia, ele considera que apostou demais naquele relacionamento, mas, que isso foi de grande contribuição para seu amadurecimento.

E, recentemente, após um amigo próximo realizar uma cirurgia de remoção de tumor no cérebro, o jovem tem a declarar que: “A vida é única. Eu acho que a gente deve aproveitar os momentos e fazer o que gosta. Quando você vê o ano passou e não viveu nada… Tem que saber aproveitar os instantes menores. É isso que eu valorizo, os pequenos detalhes, conversar com alguém e a música.”