lealdade

A lealdade em pessoa

“Eu não decidi estudar no Mackenzie, o Mackenzie me escolheu” diz Emily Nery, 18, cursando o terceiro semestre de Jornalismo. A mackenzista, que não imaginava que cursaria a graduação aqui, mudou de ideia um mês antes do vestibular, após ouvir bons comentários sobre o curso.

Ao ingressar na universidade, a jovem conta que amadureceu no aspecto social, graças ao jornalismo. “Acabei vendo os dois lados de cada história. Toda pessoa tem uma história por trás dela e é fácil julgá-las sem conhecê-las. Eu cresci no aspecto social, acabo prestando mais atenção antes de falar qualquer coisa.”

Algo que também a fez mudar como ser humano foi a sua maior loucura já feita: Intercâmbio para a Alemanha. “Sinto que não estava preparada e acabei tendo diversos problemas lá. Foi uma grande transformação na minha vida, para o lado bom e ruim. Me amadureceu muito, mas eu ainda considero que foi uma loucura porque eu não tinha certeza se realmente queria fazer isso.”

Com relação aos seus hobbies e gostos, a estudante comenta sobre sua paixão pelos esportes, a facilidade com a escrita, a indecisão entre ir para festas ou ficar em casa e a importância das suas amizades nos diversos momentos de sua vida. “Eu gosto muito de ter a companhia de alguém para fazer o que estou com vontade, ter um amigo de verdade comigo para qualquer coisa(…) Eu gosto também de escutá-los e me considero uma pessoa muito leal. Fico mal quando vejo que meus amigos estão mal. Às vezes sou meio chata com isso, mas realmente gosto de ver meus amigos bem.”

Sobre seus sonhos, a jovem deseja mochilar pela Europa. “Mochilar por ai, ficar uma noite em um hostel e no outro dia não saber para onde eu vou… Ter uma aventura não planejada.” E escrever um livro, que tenha uma mensagem significativa para seus leitores. “Eu tenho muita vontade de escrever um livro para ajudar as pessoas. Não um livro de auto ajuda, mas que tenha algumas mensagens que fiquem no subconsciente delas e as faça pensar nas atitudes que elas tomam. Já pensei em fazer trabalho voluntário, mas fazendo uma coisa que tenho mais aptidão e facilidade, também é um jeito de ajudar o outro.”