intercâmbio

“Não sei se você me entende…”

“Vai parecer clichê, mas a Redação Virtual me dava muito prazer de vir para cá. Todo dia que eu vinha ver meus colegas, foram momentos muito marcantes para mim. É algo que, de longe, foi a melhor coisa da faculdade” diz, com brilho nos olhos, Douglas Ono Uchida, 21, estudante do quinto semestre de Publicidade e Propaganda e ex-líder da Editoria Share Your Story.

O mackenzista optou pelo curso no Mackenzie pela sua posição no ranking de melhores faculdades, e também pela tradição da universidade. Após ingressar na graduação, ele observa o que mudou em sua vida: “Eu fiquei mais independente, comecei a correr mais atrás do que queria e das minhas responsabilidades, fazer projetos novos.”

Além disso, sua experiência na RV, o fez ficar mais atento e flexível às situações do cotidiano. “Aqui é muito família, trabalho em grupo, eu aprendi a estar mais aberto as pessoas e opiniões.”

Fora dos muros do Mackenzie, o jovem gosta de passar seu tempo assistindo a filmes no cinema e no Netflix, mas também, de explorar essa selva de pedra na qual vivemos. “Gosto muito de perambular por ai, andar em algum lugar em São Paulo com seus amigos e pensar ‘olha que lugar legal’.”

A capital paulistana não foi, porém, a única que Douglas desbravou. Seu intercâmbio para São Francisco possibilitou a prática do inglês, bem como conhecer uma cultura diferente. “É uma experiência muito boa. Por mais que eu tenha ficado só um mês, é o suficiente para pensar ‘Olha o quanto de mundo que eu não conheço’. Conhecia tudo pela tela, mas a vivência é totalmente diferente. Isso me fez abrir ainda mais a cabeça.”

Ao tentar se definir em uma frase, o futuro publicitário cita duas. A primeira delas “Não sei se você me entende…”, está relacionada a sua mente complexa, que possui pensamentos opostos ao mesmo tempo. Para ele, tais ideias fazem sentido, mas para as outras pessoas não.

A segunda é um trecho da letra de uma música. ‘We don’t have to talk. We don’t have to dance. We don’t have to smile. We don’t have to make friends. It’s so nice to meet you. Let’s never meet again.’(We don’t have to dance – Andy Black). De acordo com sua interpretação pessoal, a canção é sobre pessoas que não acrescentam nada em sua vida. “Era um momento em que eu estava criando filtros. Eu vi que você não me traz coisas legais, positivas, então fica do seu lado que eu fico no meu” reflete o mackenzista.

Texto e foto por: Beatriz Santiago

Para saber mais um pouco sobre o intercâmbio de Douglas, clique aqui