Dona Adelvina

Oitenta e dois
Outonos passados
Muita história percorrida
E amor na medida

Trinta e dois
Filhos criados
Depois de crescidos
Só querem viver por mais oitenta e dois

Nascida para amar
Velhice não existe
A lucidez resiste
Com a vida pra ganhar

Só os trinta e dois
E os frutos dos mesmos
Fortalecem do amor que veio
16 de maio de 1934


Foto: Usuário do Flickr @marina guimarães

Julia Cadete

“Eu sei que não sou nada e que talvez nunca tenha tudo. Aparte isso, eu tenho em mim todos os sonhos do mundo.” – Fernando Pessoa