Dia Mundial do Veganismo – Origem e Histórias

O Dia Mundial do Veganismo começou em 1994 pela presidente Louise Wallis. Fundadora da Vegan Society da Inglaterra, a instituição vegana mais antiga do mundo. Foi ela que oficializou e criou o termo “vegano”. Louise estabeleceu que todo dia 1º de novembro seria comemorado o Dia Mundial Vegano. Justamente no aniversário de 50 anos da Vegan Society, criada em 1944. Por isso pensamos em fazer um texto para explicar um pouco mais sobre esse movimento tão famoso.

“Veganismo é um modo de viver que busca excluir, tanto quanto possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade contra animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito.”

No senso comum várias pessoas encaram o veganismo como uma dieta, quando na verdade ele é um movimento muito mais complexo do que isso. Ele engloba todo um conjunto de ações em todos os aspectos da vida que demonstra recusa ao sofrimento dos animais. E existe uma diferença, que nem todos sabem, sobre o veganismo e o vegetarianismo.

O vegetariano não come produtos de origem animal, incluindo aí ovos ou leite. Já os veganos vão mais longe. Eles têm uma alimentação onde absolutamente nada de origem animal entra no dia-a-dia. Isso inclui todos os tipos de carnes. Todos os laticínios, ovos, mel e tudo que tenha em sua origem de algum animal. Nenhum produto de origem animal, desde roupas até remédios e cosméticos, entram no cotidiano das pessoas veganas.

Se tornar vegano, e todas as mudanças que vem com isso,  é algo complicado e demorado para a maioria das pessoas. A mackenzista Gabriella Ariel, estudante do 2º semestre de jornalismo, pode confirmar isso. Ela conta que sua família não a apoiou muito na decisão de se tornar vegana:

“Achavam que eu ia ficar deficiente em ferro e proteínas. E, por já ser anêmica, sempre chegavam com diversas carnes e tentavam me fazer comer todas elas. Mas eu resistia, não só pelo apoio a causa, mas também por nunca gostar de nenhum tipo de carne. Com o passar do tempo eu fui mostrando que é possível extrair todos os nutrientes possíveis em legumes, vegetais e outros tipos de proteínas. Me curei da minha anemia, e consegui o respeito da minha família com minha decisão.”

Muitas pessoas acreditam e apoiam o veganismo. Mas quem não é adepto, apesar da vontade de ser, sabe o quão difícil é para começar. Pensando nisso, separamos alguns documentários para tirar a curiosidade ou até, quem sabe, dar uma inspiração e o incentivo que estava procurando.

 

Cowspiracy

 

 

Esse documentário mostra como a agropecuária intensiva está dizimando os recursos naturais do planeta. E por que essa crise tem sido ignorada por grandes grupos ambientalistas. Ao longo do documentário, assistimos à procura da verdadeira solução para as questões ambientais e caminho para a sustentabilidade. Bem como o enorme trabalho de investigação na descoberta da razão pela qual as principais organizações ambientais do mundo têm medo do discutir o tema.

 

 

 

Forks Over Knives

Documentário que aborda um dos grandes problemas da sociedade moderna, de acordo com médicos e especialistas, que participam do documentário: os graves problemas de saúde que afetam parte significativa da população causados por um cardápio de alimentos de origem animal. Ele mostra que não com a dieta vegana é possível combater/atenuar os efeitos de várias doenças degenerativas. Esse documentário também ficou famoso por ter tornado o cantor Ozzy Osbourne em vegano.

 

 

What The Hell

 

 

Produzido pela mesma dupla responsável pelo documentário Cowspiracy. O longa explora a conexão entre doenças, o consumo de produtos de origem animal e a indústria farmacêutica. Conhecido como “O filme de saúde que as organizações de saúde não querem que você veja”. O filme explora as preocupações com a saúde relacionadas com as indústrias de carne e lácteos, a indústria farmacêutica e várias organizações de saúde.

 

 

Okja

Saindo um pouco do campo dos documentários, Ojka é não é um filme sobre veganismo ou vegetarianismo, mas sim um filme que explora o lado ético de criar animais para matar. Mikha é uma jovem que arrisca tudo para evitar que uma poderosa companhia multinacional sequestre seu melhor amigo – um animal gigante chamado Okja.A história mostra o  amadurecimento de Mikha, enquanto enfrenta a dura realidade de experiências com alimentos geneticamente modificados, globalização, terrorismo ecológico e a obsessão da humanidade com a própria imagem, marcas e autopromoção.

 

 

 

Falando em se inspirar, dá uma olhada nessa lista de livros incríveis.00

Larissa Iole de Freitas
Paulistana propensa a sonhar demais em meio a realidade. Apaixonada por histórias novas, café(s), bons livros e uma boa playlist que acompanhe isso tudo.