Dia do irmão – Aquilo tudo de novo

Parece que 5 de setembro chegou de novo não é mesmo? O famoso dia do “sai do meu quarto”, do “cadê minhas coisas?” e principalmente do “Vou contar pra mãe”. Seja mais velho, mais novo, gêmeo ou qualquer outra coisa, sempre vai ter aquela hora que você não aguenta mais ouvir a voz dele(a), assim como vão ter algumas várias vezes em que nós  vamos querer grudar nele por um dia inteiro, e se reclamarem demais provocamos de propósito só para ver aquela cara de raiva momentânea, afinal, irmão é pra essas coisas, mas vou tentar me concentrar no que eu realmente sei: A arte de ser caçula.

Não importa a idade que nós tenhamos, nossa maior preocupação no ambiente familiar é ver o circo pegar fogo. Fazer aquele irmão mais velho perder a cabeça ficou tão fácil com o passar dos anos que podemos simplesmente escolher a hora mais apropriada para isso. Qualquer minuto do dia, seja madrugada, manhã ou seja lá quando nos der vontade, nossos irmãos nunca estão a salvo do nosso talento especial, mas obviamente nunca levamos a culpa, porque foram eles que começaram.

Enfim, a maior parte disso provavelmente já é passado. A nossa versão mais madura já está com a cabeça em outros lugares, pensando em coisas mais importantes, nossa visão sobre tudo muda, inclusive sobre aquele primogênito que por tanto tempo foi nosso alvo. No meio de tanta confusão da vida, com faculdade e tudo mais, ficar perdido é algo normal, e buscar alguma referência para seguir o caminho certo também. Nossa, olha lá quem já passou por isso e você conviveu a sua vida toda. O mundo com certeza dá voltas.

Um tanto difícil de aceitar, mas acho que é natural de se fazer. Buscar a inspiração para seguir em frente, procurar um guia para tempos difíceis. Queremos alguém para mostrar o caminho certo. No meu caso, eu recusava tudo isso, tudo por causa daquele maldito famoso orgulho que me mandava resolver tudo sozinho, mas obviamente não durou muito.

Apesar de tudo o que irmãos passam, não dá pra simplesmente viver sem depois que nos acostumamos com eles por perto, então fica aqui essa dedicatória. Para os primogênitos, muitas vezes nos espelhamos em vocês, não pense que algum dia vamos perder a chance zoar se baixarem a guarda. Para os caçulas, nem pensem em pegar leve, senão eles vão sentir falta disso no futuro, de verdade. Para todos, um feliz dia do irmão! E sai do meu quarto.