Destino certo

Quase nunca pensamos na morte, principalmente quando somos jovens. Ela é algo que não passa corriqueiramente pela nossa cabeça, parece algo distante demais, e pode realmente ser, mas como pode não ser.

A morte não tem idade, não tem hora, não tem circunstância certa. Ela vem sem avisar e muitas vezes nos surpreende levando consigo pessoas, sonhos e planos. Mesmo que em alguns casos estejamos esperando, nunca estamos preparados.

Pode ser incômodo pensar sobre ela, mas é a única certeza que temos. Fomos criados para ter um começo, um meio e um fim nesse mundo. Parece paradoxal, mas é partindo da morte que se pode fazer uma reflexão tremenda sobre a vida, aliás, se sabemos que temos um fim, deveríamos viver cada dia como se fosse o último, e refletir profundamente sobre cada palavra dita, cada ato feito, cada decisão tomada.

As pessoas não são eternas, então não deixe aquele beijo, aquele abraço, ou aquele “eu te amo” para outro dia, pois pode não haver um depois. Aproveite cada oportunidade para demonstrar gratidão e amor porque quando você perceber, pode ser tarde demais, e aquele alguém não poderá mais ouvir o que você tem a dizer.

Assim como qualquer ser humano, você também não é eterno, e muito além de apenas valorizar seu próximo, faça sua passagem por esta Terra valer a pena. Não deixe que sua vida seja dominada pelo medo, pela vergonha, ou pelo orgulho. Encontre um equilíbrio entre razão e coração, viva intensamente.

Como você quer ser lembrado? Qual é a marca que você quer deixar? Te convido a refletir sobre a vida, pensando sobre um destino certo: a morte. Não deixe esse mundo com arrependimentos, não permita o triste “ agora é tarde demais”.

Texto de Rebeca Dias, Aluna de Jornalismo do 2° semestre

Foto de Christian Frutuoso