A minha criança interior – Dia Das Crianças

A minha criança interior

Quem nunca quis reviver momentos de um ano que passou lembrando de cada dia vivido, como se fossem cenas de um filminho passando em sua mente, com uma trilha sonora nos fones de ouvido antes de dormir?

Minha infância e adolescência toda passei achando que minha vida seria um daqueles filmes tão fáceis. Onde tudo dura para sempre, sem decepções entre amigos e família, que era possível sempre dormir durante a tarde ou ao menos ter aquelas 8 horas maravilhosas de sono por noite para uma bela disposição no dia seguinte. Mas eu cresci.

Nenhum filme mostra o que acontece com os personagens quando as luzes acendem e os créditos aparecem, mas penso comigo mesma e percebo que o final de cada filminho da minha vida é como se fosse o fim de cada ano. E se me pedissem para escrever de um filme da minha vida, com certeza seria o meu 2016.

Durante a minha adolescência eu nunca tomei tanto choque de realidade e amadurecimento, como os meus 20 anos de idade. Foi o ano da incerteza. Ano da escolha. Ano das amizades verdadeiras e amizades passageiras. Ano da mudança. Ano do estresse. Ano da correria. Ano do choro. Ano de enfrentar tantos desafios e o ano de encontrar talvez a aventura de um grande amor. E esses dias precisei olhar para trás e me perguntar com muita sinceridade: como consegui viver os outros anos sem certas pessoas que conheci em 2016?

Nesse Dia das Crianças me peguei pensando em como começaria esse texto. Acho que nada mais bonito do que contar um pouco sobre uma amizade desse ano. Não consigo imaginar como eu era antes da entrada dele na minha vida. Foi esse amigo que ensinou-me a enxergar que eu precisava crescer, mas sem esquecer quem eu sou de verdade.

Certa vez, esse meu amigo me disse que a sua criança interior não se orgulhava do que ele havia se tornado hoje. Bom, querido amigo, essa vai para você: Nossa criança interior nunca morre. E como disse, na história do meu filme de 2016, foi a primeira vez que senti um pouco da vida adulta. Mesmo isso me assustando um pouco(talvez muito), sei que meu caráter e essência continuam. E como uma grande amiga, queria contar que certas pessoas entram no filme da nossa vida e faz tudo valer a pena.

Querido amigo, a sua criança interior está e nunca deixará de se orgulhar, pois você me mostrou algo muito novo, a vida adulta. Por você ainda ter o coração amável que a sua criança te deixou, também ensinou-me a amar o meu jeito de viver essa vida.

Que nesse dia das crianças, nunca nos esqueçamos de tudo o que vivemos em nossa primeira fase da vida. Aprendemos certas coisas que precisamos para os dias de hoje, pois a vida passa. O tempo parece que diminui quando mais responsabilidades e afazeres nos aparecem, mas é a nossa essência de criança que nos ajuda a caminhar bem nessa vida.

Confira também nosso texto do dia das crianças de 2015