Cotidiano do trabalhador comum

Acorda atrasado
corre, meio desarrumado
meio desanimado
ainda meio desorientado

Chuveiro queimado
(vai frio mesmo)
café velho, já amargado
(vai assim mesmo)

Ônibus atrasado
Transeuntes estressados
Enfim o veículo vem
e cheio de gente amargurada
agora meia hora
levando cotovelada

Metrô lotado
empurra-empurra
pra não morrer precisa ter cuidado
pra alguns lados é puxado
pra outros é socado
empurra-empurra
estações lotadas
oito da manhã
gente já suada

Chega enfim no trabalho
um computador, vários papéis
o trabalhador, antes das dez
já cansado
começa a lidar com alguns processos
começa a sonhar com alguns progressos
sobrecarga, não pode ter erro
ninguém merece do patrão o berro

— Precisa de uma distração
faz login no Facebook rapidão
interage com um monte de gente
só faz logoff no fim do expediente
Tão fatigado
que nem consegue produzir
tão pressionado
que só pensa em como fugir