Copa América 2019 – Venezuela

Daremos continuidade a nossa série de reportagens sobre as seleções da Copa América 2019, após analisarmos a Bolívia, continuaremos no grupo A e analisaremos a Venezuela.

Seleção do dia

VENEZUELA

Os venezuelanos estão no mesmo grupo que a Bolívia, o Peru e o Brasil. A equipe venezuelana fará sua estreia na competição contra o Peru, na segunda rodada enfrentará o Brasil, e encerrará sua participação na fase de grupos contra a Bolívia.

A primeira participação venezuelana foi no Campeonato Sul-Americano de 1967, e em apenas duas edições a Venezuela avançou a fase de mata-matas. A primeira foi em 2007, quando a Venezuela sediou a competição e foi eliminada pelo Uruguai nas quartas de final. A sua melhor campanha foi na Copa América de 2011, onde a seleção ficou com a quarta colocação. Nesse torneio, a Venezuela chegou as semifinais após eliminar o Chile nas quartas de final mas acabou sendo eliminada pelo Paraguai nos pênaltis na fase seguinte, perdendo o terceiro lugar para o Peru.

Além de não ser uma das equipes mais tradicionais da América do Sul, a seleção não tem um histórico nada favorável em partidas contra os adversários do seu grupo. Em jogos válidos pela Copa América os venezuelanos enfrentaram 4 vezes a Bolívia, sendo 1 vitória, 1 derrota  e 2 empates. Contra o Peru, são 7 jogos, 5 derrotas, 1 vitória e 1 empate. O retrospecto é ainda pior contra o Brasil, são 7 jogos sendo 6 derrotas e 1 empate, sendo que a equipe venezuelana tomou 27 gols e marcou somente 2.

Salomón Rondón

Apesar disso a seleção passa por um bom momento, essa geração é vista como a geração de ouro do futebol venezuelano. A base da equipe é composta pelos jogadores vice-campeões mundiais na categoria sub-20, e além disso a equipe  ocupa a melhor posição no ranking da Fifa de toda a sua história (29), e vem de uma vitória histórica contra a Argentina por 3 x 1. Os grandes destaques da seleção são os atacantes : Salomón Rondón que atua no Newcastle e Josef Martínez que atua no Atlanta United.

Alguns fatores fora das quatro linhas podem influenciar o desempenho dos Vinotintos (como é popularmente conhecida a seleção venezuelana). O principal fator é a grave crise econômica que o país enfrenta, que influencia diretamente no futebol nacional, fazendo com que os times e jogadores venezuelanos enfrentem graves problemas. Afeta até mesmo os que jogam fora do país.

“A maioria dos jogadores da seleção está fora do país, mas isso não quer dizer que não sintamos o que está acontecendo em nossa pátria. Cada um de nós carrega o medo do que possa acontecer à sua família. Vivemos num estado de angustia, sofremos muito com tudo isso”, declarou Josef Martínez que atua nos Estados Unidos (MLS), durante uma entrevista coletiva.

“Eu acredito nesse grupo, tanto que é a geração de ouro e foi vice-campeã para a super seleção sub-20 da Inglaterra, que é muito qualificada. Até porque o Peru não tem um grandíssimo time, a Bolívia acho que não passa, então acredito que a Venezuela passa e pode ser a única oportunidade deles fazerem algo marcante na história do futebol”, declarou Caio Meneghello, estudante de jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

TEXTO POR JOÃO PEDRO SALLES