Confuso coração

 

Triste solitário coração

Cheio de amores superficiais

Não completa a porção

Nada o satisfaz

 

Quando mexe com a emoção

não se sente capaz

Só quando ela estica a mão

para juntar com a do rapaz

 

Na sua cabeça a confusão

de não saber o que faz

Pobre confuso cheio coração

Como o pulo em um cais

 

Não sabe se mergulha na emoção

O se dá um passo para atrás

Chega a conclusão

Deixa rolar mais…

 

Nada o traz uma conclusão

O pensamento preso como alcatraz

Mas toda essa dúvida não é em vão

Esta amando o rapaz

 

Texto de Rafael Barboza Barreto, aluno de Administração, 1º semestre

Foto de Carlos ZGZ

Se voce curte poemas mais romanticos, confiram também outros que já escrevemos aqui:

Aqueles olhos

 

O lado oculto do Eclipse