Quinze. Pelos quinze. Aos quinze.

Três pontos vermelhos cobrem a testa que brilha no reflexo do Sol o troféu da juventude. Aquilo só acontece com você. Só pode. Dia importante, primeiro dia. Nascem três pontos vermelhos na testa formando um triângulo da besta. Nunca acontece isso com ninguém, só com Você. Marcada para sofrer. Ter quinze, ou melhor, ser quinze. […]


https://www.flickr.com/photos/128647117@N04/15994423851/in/photolist-qnnAYt-uRdwPs-9NkELK-qQ8uW8-nQM7hT-4Jxitv-eTmvb-6xceyH-a7VeF3-5KEAZs-9Noq8Q-3LvLUX-eT1X3J-8jUxXH-3kJDAE-6PYyBF-5cR2R3-aN2B5x-bNZxM4-isKvk-ex8Gax-bWcWc3-bWcWFd-bWcVVE-nmHwcA-nn3eeS-nn3dAC-nmHxFX-nn3cJs-njXovw-noLnXx-nmHv6X-nn3a11-noLkJe-njXkQb-nmHpY3-njXjTG-noLiNa-nn37Aw-8fdvv8-dWm7dV-5bH4cQ-fFskTa-fs8rnR-nKBbXv-9HWyZ-5Zygwt-dqpCbT-3zJjFj-4gW1BF

Entre amigos

Gal canta nos fones encardidos de bom tempo de uso. Olho pela janela do último acento do vagão da linha verde. O cheiro acre do Tamanduateí saltita nas narinas, mas a vista é tão bela! São 16h27 de um 20 de julho. É inverno, contudo dizem na TV que estamos passando por um “veranico” – […]


Por onde anda a empatia?

Tempo seco, parecia verão em pleno inverno – um céu azul imenso. Os carros se amontoavam num congestinamento: a pista sentido Rebouças da Consolação fechada pela CET. Na pequena Caio Prado, em frente ao Parque Augusta, uma senhora salta aos meus olhos se banhando na água da nascente ao lado que corre na guia da […]


Quem paga a conta?

Eu tive um sonho… À moda de Dante. Peguei um trem que era um purgatório. 9 vagões e uma chance de ser levado ao paraíso ou descer até o último vagão ao inferno… “E ri-se a orquestra irônica, estridente…”. “Vagabundos!”, gritaram… “Baderneiros”, esbravejaram… “Perturbadores da ordem”, concluíram. Os calos das mãos que pelejam contra o […]


Balada do amor

No meio da noite… A dor desata o nó que o pensamento tratou de fazer. E surge o riso que agora é pranto; e surge o desamor que já foi amor; A chuva é o medo de se saber quem é… Por que tudo é tão grande e pesado? Por que esse fardo todo mundo […]


Geni

Olhos azuis que não cabem no oceano… Na vitrola antiga, a agulha riscava o disco que cantava e contava a vida do caipira paulista. E ela se transportava… Se transportava para sua infância, sua vida na roça, perto de sua família e a simplicidade da alegria. Apesar da vinda para a cidade, Geni mudara pouco […]


Sobre tornar-se Frida

Já não há amarras que possam me prender. O alçar do voo já se deu. Eu fui, eu vi, eu fiz. Eu finalmente sou na plenitude do que se possa ser. Se descobrir, redescobrir, desconstruir… Experiência mãe para o clímax de se ver mulher, enxergar-se mulher. Ver-se apequenada. Aprisionada. Mas, enfim, desatar as amarras. Sejam […]


Ao meu colega, do outro lado

Caro colega, Como vão as coisas pelo outro lado da cerca? Hoje descobri o seu desconforto com o meu posiocionamento ideológico. Sabe, eu também não era lá muito fã dos seus depoimentos que, às vezes, beiravam a desumanidade. Contudo, me mantive firme. Não poderia mesmo conviver apenas com pessoas complascentes com minha utopia. E digo […]