Atletas para acompanhar

Atletas que chamaram atenção no ano de 2016 e vale a pena continuar acompanhando seu desempenho em competições nos próximos anos.

 Daniel Dias

ff_paralimpiadas-rio-2016-natacao-200-metros-livre_01209082016
Daniel Dias

Nome completo: Daniel de Farias Dias

Esporte: Natação

Nacionalidade: Brasileira – Campinas, SP

Idade: 28 anos

Daniel dias começou a nadar aos 16 anos, quando foi inspirado por Clodoaldo Silva, outro nadador paralímpico brasileiro. Nas Paralimpíadas de Pequim, em 2008, Daniel conquistou um total de 9 medalhas, superando até o nadador que o inspirou. Além desse fato, ele também é recordista mundial e se tornou, com as paralimpíadas do Rio 2016, o maior medalhista homem de natação em paralimpíadas.

E

S

Thiago Braz

Thiago Braz
Thiago Braz

Nome completo: Thiago Braz da Silva

Esporte: Salto com vara

Nacionalidade: Brasileira – Marília, SP

Idade: 23 anos

Começou no atletismo aos 14 anos, sempre sobressaindo nos campeonatos onde passava. Sendo dono de uma medalha de bronze (Campeonato Sul-americano jr.), duas de prata (Jogos Olímpicos da Juventude e Campeonato Sul- Americano Jr.) e sete de ouro (Campeonato Sul-Americano da Juventude, Campeonato Pan-americano Jr., Campeonato Mundial Jr de atletismo, Campeonato Sul-Americano de atletismo, Meeting de Leverkusen, Meeting internacional indoor ISTAF e Rio 2016). Mesmo com tantas conquistas o atleta só tornou-se reconhecido mundialmente na modalidade salto com vara após conquistar o primeiro lugar na Rio 2016. Quebrando recorde olímpico na disputa final contra o francês Lavillenie. Deixando a marca a ser batida em Tóquio de 6,03m de altura.

Yusra

Nome completo: Yusra Mardini

yusra
Yusra Mardini

Esporte: Natação

Nacionalidade: Síria

Idade: 18 anos

Apesar de ser Síria, Yusra Mardini competiu no time dos refugiados nos 100 metros livres e 100 metros nado borboleta. A jovem refugiada ficou conhecida pela sua história de vida, antes dos jogos olímpicos: um bote que a levava com 18 outros migrantes para atravessar o mediterrâneo quebrou e ela junto com a sua irmã e dois outros conseguiram salvar a vida de todos nadando por três horas até achar terra firme. Ela conseguiu o 41º lugar no nado borboleta nas Olimpíadas do Rio 2016.

Texto por Alexa Meirelles, Ilana Oliveira e Louise Hardy, alunas do curso de jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie.