As viagens de Modernell

Viajar não tem idade, não tem gênero e não tem hora. Viajar vem da paixão de cada um. O Professor de Comunicação Renato Modernell, 64 anos, contou um pouco da sua experiência internacional. E, de tantas histórias para compartilhar, suas viagens renderam um livro.
O projeto (à esquerda) e o livro publicado (à direita)

Em seu livro, “Outras Terras”, Modernell relata suas histórias de uma maneira que o leitor possa se sentir viajando. Em uma linguagem leve, o professor passa informações sobre o lugar visitado. Sem uma abordagem descritiva, o livro torna-se uma coleção de relatos pessoais. Dos quais o professor escolhe a do Japão como sua preferida. Na capa, o leitor encontra o desenho de um barco, o qual simboliza a viagem mais marcante do professor.

“Quando eu tinha 23 anos, fui para a Europa sem lenço e sem documento. No Cabo San Roque eu fui embora para Europa”, relembra Renato. Mesmo sendo marcado pela viagem de navio, ele escolhe a Holanda como melhor lugar que já visitou. O motivo? “Porque lá as pessoas me dão a esperança que o mundo pode melhorar”.

Uma imagem da embarcação que marcou sua vida ao final dos seus relatos

A média é de 30 países visitados, misturados entre trabalho e lazer. Mas, para Modernell, a mochila está sempre preparada. Quando perguntado sobre os países que ainda gostaria de conhecer, Modernell destaca a China, Praga (República Checa) e Budapeste (Hungria).

Como conselho para os amantes de viagem, o professor destaca “Nunca leve uma mala quando você pode fazer só uma mochila”. Além disso, ele realça que não deixemos de viajar. A paixão pelo novo e desconhecido deve nos mover e nos inspirar.

Eai mackenzista, inspirou-se pelo professor mochileiro? Já pensou em fazer o seu mochilão? Dê uma olhada nesse post e pegue algumas dicas do que levar com você nessa experiência.

Aventure-se como o Modernell e tenha histórias que renderiam livros! Nunca é tarde para encher o passaporte de carimbos e de colecionar momentos incríveis. Eu já estou preparando a minha mochila e, então, vamos?

Camila Oliveira
Paulistana de berço mas o coração é um pouco de cada lugar que passei. Sou uma mistura de momentos, experiências e tenho muita história para contar. "Life isn't about waiting for the storm to pass. It's about learning to dance in the rain".