As vantagens de fazer uma viagem de mochilão

O “mochilão” é, sem dúvida alguma, uma das formas mais divertidas e desafiadoras para quem está pensando em viajar. O viajante que opta por se aventurar com a bagagem nas costas precisa abrir mão do conforto e da estabilidade, mas acaba ganhando muito mais em experiência.

Listamos aqui as principais razões para você começar a pensar em se tornar um mochileiro:

  1. O tempo é muito bem aproveitado
    Vendo-se livre do dever de seguir uma rotina restrita, o mochileiro tem a oportunidade de ir para qualquer lugar, a qualquer hora do dia. Ele raramente se sentirá prejudicado com possíveis imprevistos e mudanças na agenda, pois tudo é novo e, portanto, merecedor do tempo gasto.
  2. Gastos menores e desapego material
    Muitas pessoas viajam de mochilão não pelo fato de sair mais barato, mas pela experiência, e conseguem provar que se hospedar em albergues pode ser tão prazeroso quanto alugar um quarto de hotel. E não é só isso: em vez de focar em compras, a viagem de mochilão tem o intuito de introduzir o mochileiro no cenário habitual de um lugar, seus costumes e suas paisagens. O que prevalece é o sentimento de liberdade, de se estar realizado espiritualmente.
  3. Conhecimento sobre a cultura local
    Existe uma melhor maneira de saber mais sobre a cultura da região do que se passar por um morador local? Provavelmente não. Sem sofrer pressão ou estar em constante correria, o mochileiro tem a possibilidade de se locomover da área central até os lugares mais afastados.
  4. Amizades
    As amizades podem surgir a qualquer momento: no albergue, ao pedir uma informação, nas andanças pelas ruas ou até mesmo quando se está perdido. Não importa onde nem quando; a lista de contatos de um mochileiro é muito diversificada.
  5. Independência e amadurecimento
    A maioria das viagens traz uma vantagem em comum: quem viaja, volta mais independente. Só que o mochileiro tem uma concepção de independência totalmente diferente de um intercambista ou de um turista. Ele passa a viver apenas com o essencial, sabe distinguir o que é necessário e o que não é, além de desenvolver, com o tempo, seus níveis de concentração e organização.