A arte por trás do fenômeno Cuphead

O game que está sendo mais jogado nesse mês deve muito ao seu estilo de arte, animação dos anos 30. Vem conhecer mais sobre esse estilo!

 

Cuphead, o jogo mais comentado nas duas últimas semanas, é um jogo indie lançado em 29 de setembro, criado pelos irmãos Chad e Jared Moldenhauer, que ganhou destaque devido a sua jogabilidade, música e principalmente pela sua arte, que assim como os criadores queriam, faz parecer que o jogo é realmente de 1936.

 

A história persiste em livrar o personagem principal, Cuphead (ou Mugman seu irmão) da sua dívida com o diabo e, para isso, ele enfrenta diversos chefes, no estilo “run and gun” (corra e atire) dos jogos de antigamente como, Contra, Megaman e Metal Slug.

A arte e criação do jogo remete aos clássicos cartoons dos anos 30, pertencentes ao estilo Rubber Hose Animation, como Pluto e Mickey Mouse, mas principalmente aos personagens dos Estúdios Fleischer, Betty Boop, Popeye e Bimbo, principal concorrente dos Estúdios Disney. Na criação do jogo, a maioria dos elementos na elaboração desses cartoons antigos, foram realizados em sua produção, apresentando em cada fase entre 1200-1600 quadros, que ao longo do jogo resultam em mais de 50 mil quadros. Cada quadro é feito a mão marcando os movimentos dos personagens e do cenário, e em sua pós-produção é feito a coloração via Photoshop.

 

De acordo com Jake Clark, animador e designer, as principais características são: a simplicidade, que permite reconhecer os personagens facilmente e por suas formas simples e mais sólidas, e o estilo “mangueira de borracha” comum nos personagens clássicos possibilitando deformações em seu corpo, esticando, cortando, etc.

Outra característica que chama atenção dos usuários e críticos é a sua dificuldade, pois apesar de apresentar um ar mais simples e caseiro, o jogo tem um alto nível de dificuldade, marcante nas franquias atuais de jogos.