Árbitro de vídeo: herói ou vilão no futebol?

A tecnologia do árbitro de vídeo, que já foi implementada em algumas competições pelo mundo, está sofrendo contradições sobre seu funcionamento. O sistema, que ajudaria a arbitragem e acabaria com a polêmica no futebol, está virando motivo de mais discussão após ter sido utilizado, por conta de o critério de utilização do vídeo ser do juiz da partida.

Segundo a FIFA, o vídeo deve ser usado em quatro situações: gols, pênaltis, cartões vermelhos e erro na identificação dos jogadores na aplicação de cartões. Apenas o árbitro da partida pode pedir a revisão do lance em caso de dúvida, para uma equipe de quatro profissionais trabalham em uma sala de controle dentro do estádio, e passam as soluções das dúvidas por meio do aparelho de comunicação. Em algumas situações, se o juiz ainda estiver indeciso, ele pode rever o lance em uma televisão perto do gramado.

A primeira competição a testar o uso do árbitro de vídeo foi o Mundial de Clubes de 2016, seguidos do campeonato alemão e da Copa das Confederações, já em 2017. O sistema de vídeo também foi usado na final do Campeonato Pernambucano, entre Sport e Salgueiro, e a partir das partidas semifinais da Libertadores.

Em todas essas competições em que o arbitro de vídeo já foi utilizado surgiram as mesmas discussões e controvérsias, de que o juiz pode escolher em quais situações de jogo utilizar o vídeo ou não e, com isso, ele ter o “poder” de favorecer um dos times com a revisão do lance. Isso já ocorreu em todos esses campeonatos citados, principalmente em lances de pênalti, em que o juiz usou o vídeo para ver se foi pênalti para um time, e não utilizou para o outro. Por conta dessas contradições que estão sendo apresentadas a cada rodada, o Campeonato Alemão cogita tirar o sistema de vídeo ao final do da temporada, para causar menos problema.

No Brasil, a tecnologia foi utilizada apenas na final Campeonato Pernambucano, e foi cogitada pela CBF para ser utilizada no Brasileirão, mas foi negada por conta de já estar no meio do campeonato e da dificuldade de instalar as câmeras que seriam utilizadas em todos os estádios em pouco tempo. Para o ano que vem, a CBF pretende utilizar o árbitro de vídeo em todo o Campeonato Brasileiro. Na última semana foi a vez de a Confederação Espanhola confirmar o uso da tecnologia a partir do próximo Campeonato Espanhol.

Para Matheus Braga, aluno do curso de Jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie e amante de futebol, a grande questão é o que o árbitro de vídeo pode acrescer ao jogo. “Ainda não é possível dizer se essa tecnologia vai ajudar ou não. Por exemplo, no jogo da semifinal da Libertadores entre River e Lanús, disseram que o juiz não podia usar o vídeo em um lance de pênalti não marcado porque ele tinha um bom ângulo de visão para o lance. Com isso, eles ainda estão dando abertura para o erro. Se eles querem acabar com o erro ainda tem muito a melhorar”.

Não dispenso por nada uma boa resenha sobre esportes. Sou fã de todos eles, mas amo o futebol. Ver uma torcida gritando gol é a minha maior emoção!