A luta diária contra Fake News

Nos últimos tempos cada vez mais aparecem para nós notícias supostamente verdadeiras, de fontes não confiáveis. Geralmente surgem com chamadas sensacionalistas que nos atraem para ler a matéria na íntegra, e quando nos damos conta, era apenas mais uma fake news.

No ambiente virtual, principalmente redes sociais, o compartilhamento é instantâneo, por isso para um boato tomar grande visibilidade não é necessário muito tempo.

Segundo a Universidade de Oxfoard, a circulação de informações na internet é feita através de bots, que são programas que simulam as atividades humanas repetidas e padronizadas. Dessa forma, são capazes de espalhar um boato, atingir alguma pessoa e criar uma tendência.

Atualmente existe um mercado mundial voltado para a criação e disseminação das Fake News que gera lucro através dos cliques.

Para tentar evitar a circulação dessas falsas notícias, a ONG Repórteres Sem Fronteiras quer que os veículos de comunicação que seguem as normas de um bom jornalismo, ou seja, veículos que tenham uma boa base de integridade e princípios éticos recebam um certificado de confiabilidade.

Foi uma discussão que durou meses e se intitulou “Journalism Trust Initiative” (JTI), ou “Iniciativa para Confiabilidade do Jornalismo”. Até então o projeto conta com três apoiadores Agence France-Presse (AFP), da União Europeia de Radiodifusão (UER) e da Global Editors Network (GEN). A intenção é que com o certificado as redes sociais como o Twitter e Facebook alterem seus algoritmos priorizando as fontes consideradas confiáveis.

Em quanto essa ação não entra em prática, o professor do curso de Jornalismo Vanderlei Dias comenta sobre como distinguir uma notícia falsa de uma verdadeira “Checar a fonte é o básico. Recebeu algo pelas redes sociais, confirme se isso saiu em algum veículo. Primeira coisa realmente é checar onde mais saiu essa informação, quem deu essa informação. Checagem não tem erro, e hoje em dia é muito mais fácil fazer isso do que antigamente”.

Luana Cunha de Figueiredo

Futura Jornalista apaixonada por girassóis e pelos pequenos detalhes da vida. Curiosa o suficiente para questionar e refletir sobre tudo a sua volta.