Relacionamento que mais parece joia

Tem joia que a gente não compra, usa ou exibe, a gente apenas sente. Claramente, não estou falando daquele anel que sua vó te deu, do colar que carrega no pescoço ou da aliança na sua mão esquerda. Eu me refiro àquele relacionamento que mais parece joia mesmo. Raro, bonito e que arranca sorrisos.

Aquela relação que você não tem com qualquer pessoa.Aquele relacionamento amoroso ou amizade que por mais que tente e se esforce, só encontra em um certo alguém. É aí que está a raridade nele. E se você já o encontrou? Bom, se eu fosse você, faria questão de não perde-lo. Relação assim a gente não acha em qualquer lugar. A gente preserva. Já que é tão precioso quanto qualquer pingente de ouro.

É por isso que ela requer cuidados. Uma vez conquistado esse amor, é preciso dedicação dos dois para mantê-lo. Assim como uma joia, é necessário poli-lo, para que ele não perca o brilho. Então, o encha de carinho e amor. Porque indiferença não o mantém. Só assim você continua a conquistar esse alguém diariamente.

E por fim, por mais que em meio a todos os sorrisos trocados hajam algumas lágrimas. Nada nunca é capaz de diminuir o que se sente. Afinal, alguns desentendimentos são inevitáveis e nós os usamos para crescer. Então, até mesmo um sorriso no canto da boca tem seu devido valor. Já que esse tal relacionamento é uma joia especial e uma vez perdido, por mais que hajam outras, nenhum terá a mesma luminosidade ou caberá perfeitamente.Uma vez que cada pessoa tem em sua particularidade infinitas características que a torna única. Essa singularidade, vez ou outra, acaba encaixando com alguém. E quando corresponde não há ninguém que a substitua. A unicidade das pessoas as tornam insubstituíveis e a relação criada com elas, inigualável.

 

E aí, já amou alguém inigualável e quis que ele ficasse para sempre ? Leia aqui um texto sobre isso.

 

Júlia Gabriello

Nascida em Ribeirão Preto, mas paulistana de coração. Amante dos encontros e desencontros da vida e apaixonada pela escrita. Acredito que cada um carrega um mundo, por isso, escrevo para espalhar meu universo “particular”.